Petróleo se recupera e sobe após 5 dias de queda

Os contratos futuros do petróleo negociados em Nova York sobem, uma vez que o enfraquecimento do dólar ajudou a impulsionar os preços após a liquidação observada nos últimos cinco dias que levaram a commodity a atingir um mínima em 5 meses. Às 11h20, o contrato futuro do petróleo com vencimento em junho negociado em Nova York registrava alta de 2,63%, para US$ 71,93 por barril. Em Londres, o contrato futuro do petróleo tipo Brent avançava 1,13%, para US$ 75,95 por barril.

CLARISSA MANGUEIRA, Agencia Estado

18 de maio de 2010 | 11h21

Segundo operadores, muitos participantes do mercado não estavam em busca de pechinchas hoje, após os contratos futuros do petróleo atingirem uma mínima de US$ 69,27 por barril ontem - o nível mais baixo desde 14 de dezembro. No entanto, os contratos se recuperaram para o nível psicológico de US$ 70 por barril no fechamento da sessão. O contrato com vencimento em junho perdeu 20,5%, ou quase US$ 18 por barril, em uma liquidação ocorrida desde a alta de US$ 87,15 por barril registrada em 3 de maio - o preço mais alto desde outubro de 2008.

Para muitos investidores, a recuperação foi inevitável, mas o caminho futuro permanece obscuro. "Eu não acho que veremos isso acontecer de volta realmente", disse Tony Rosado, corretor da GA Global Markets em Nova York. O mercado centrará foco no valor do dólar, no dinamismo dos mercados de ações e nos fundamentos de curto prazo nos Estados Unidos, o maior consumidor mundial de petróleo.

As reservas de petróleo em Cushing, Oklahoma - ponto de entrega para os contratos futuros de petróleo negociado em Nova York, estão em níveis recorde e é esperado que os dados semanais dos estoques de petróleo, que serão divulgados hoje e amanhã no país, mostrem aumentos adicionais. Uma vez que o petróleo é cotado em dólar, a força da moeda norte-americana pode manter os detentores de outras moedas fora do mercado, enquanto o enfraquecimento do dólar pode estimular a compra de petróleo por esses investidores.

As notícias de que as obras residenciais iniciadas nos EUA subiram 5,8% em abril, acima da previsão dos analistas que esperavam um aumento de 3,8%, ajudaram também a impulsionar os contratos do petróleo para suas máximas no início do dia. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
petróleo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.