Petróleo sobe 0,21% em reação à corte na produção

Os contratos futuros de petróleo com vencimento em novembro são negociados em leve alta de 0,21%, a US$ 58,62 por barril, às 7h58 (de Brasília), no pregão eletrônico da Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex). Os preços, no entanto, recuam da máxima atingida mais cedo, quando o mercado abriu reagindo à decisão de corte da produção pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep). Em comunicado divulgado ontem à noite, após o fechamento da sessão regular da Nymex, a Opep anunciou que decidiu aplicar uma redução de 1,2 milhão de barris por dia no seu nível atual de produção. O corte superou o 1 milhão de barris previsto pelos analistas que acompanham o setor e marca a decisão mais contundente do grupo de conter a queda dos preços do petróleo. O corte equivale a 4% do nível atual efetivo de produção, que passará de 27,5 milhões de barris por dia para 26,3 milhões de barris por dia. O volume que deixará de ser extraído representa um pouco mais do que 1% do consumo global de petróleo. A redução entra em vigor em 1º de novembro. Membros do cartel sinalizaram, tanto antes como depois do anúncio da decisão, que um novo corte no nível de produção pode ser aplicado, caso haja necessidade. Na sessão regular da Nymex, os contratos de petróleo fecharam em alta ontem, mas sem alcançar os US$ 59,00 o barril, depois que a Arábia Saudita finalmente confirmou que apoiaria um corte na produção da Opep. Os preços do petróleo ganharam novo impulso nas transações after-hours com o anúncio do acordo, que surpreendeu ao revelar um corte acima do esperado - falava-se num ajuste de 1 milhão de barris/dia - e do fato da retirada da oferta incidir sobre o atual nível de produção e não sobre a meta nominal. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.