Petróleo sobe 0,47% sustentado por comentários do Irã

Os contratos futuros do petróleo operam em alta marginal, após terem abandonado a queda do início da manhã. Os participantes do mercado dividiam as atenções entre o relatório da Agência Internacional de Energia prevendo crescimento menor do consumo e comentários de autoridades iranianas reforçando a disposição do país quanto ao seu programa de enriquecimento de urânio. A Agência Internacional de Energia (AIE) reduziu sua previsão de crescimento mundial de consumo de petróleo em 2006 de 1,78 milhões de barris por dia para 1,49 milhão de barris. Mas alertou hoje que os preços do produto deverão continuar num patamar elevado. "A recente queda nos preços após as altas de janeiro ocasionou previsões de que o período de quatro anos de pressão sobre o petróleo cru atingiu seu pico cíclico", destaca a AIE em seu relatório mensal sobre o petróleo. "Um exame nos fundamentos sugere que embora exista alguma justificativa para uma moderação nos preços, a jornada adiante ainda está longe de ser tranqüila", ponderou a Agência. O relatório atenuava o impacto dos comentários vindos do Irã. Hoje, o líder supremo do país, aiatolá Ali Khamenei, disse que o programa nuclear iraniano era irreversível, avaliando que qualquer recuo do Irã quanto ao programa romperia com a independência da nação. Logo em seguida, o ministro do Petróleo do país, Vaziri Hamaneh, disse que o Irã pode revisar seus contratos de fornecimento de petróleo com companhias estrangeiras, se for conveniente, segundo informações da agência de notícias IRNA. "Se for oportuno, o Irã poderia reexaminar seus contratos com outros países", disse Vaziri, sem fornecer detalhes. Os comentários foram uma resposta para perguntas sobre eventuais sanções impostas ao país por conta do programa de enriquecimento. Eles reforçam a apreensão sobre uma retaliação por parte do Irã a qualquer sanção realizada pela Organização das Nações Unidas (ONU). Às 11h45, o contrato para abril subia 0,47%, para US$ 62,06 por barril, na Nymex eletrônica. Na máxima, o contrato foi negociado a US$ 62,15 por barril e chegou a cair a US$ 61,27 por barril, mais cedo. Na ICE Futures Exchange, ex-International Petroleum Exchange (IPE), subia 0,90%, para US$ 62,76 por barril. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.