Petróleo sobe 4% com notícia sobre cortes da Opep

Os contratos futuros de petróleo registram uma alta de mais de 4% em Londres e Nova York, em reação às notícias de que a Arábia Saudita planeja reduzir a produção em 158 mil barris/dia de produção no próximo mês, em linha com o compromisso da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep). Os preços também estão sendo sustentados pelas temperaturas mais frias na região Nordeste dos EUA. Na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex), os futuros de petróleo oscilam acima de US$ 56,00 por barril, o que não ocorria há três semanas. Com os cortes a partir de 1º de fevereiro, a Arábia saudita terá reduzido sua oferta em 1 milhão de barris por dia desde a metade do ano passado, informou o Wall Street Journal, citando uma autoridade saudita. Embora os cortes da Arábia Saudita, maior e mais confiável produtora dentro da Opep, fossem esperados, sua confirmação atraiu a atenção dos operadores para a redução extra na oferta de 500 mil barris por dia que o cartel irá implementar a partir do próximo mês. Os operadores também disseram que o efeito da recente frente fria que atinge a região Nordeste dos EUA, que responde por 80% da demanda nacional por óleo de aquecimento, vai se tornar aparente no relatório semanal do Departamento de Energia que será divulgado amanhã. "Amanhã teremos a primeira indicação de quanto os estoques de destilados (que inclui diesel e óleo para aquecimento) foram queimados com as temperaturas mais frias", disse o analista Mike Fitzpatrick, da corretora Fimat em Nova York. Às 16h12 (de Brasília), no pregão viva-voz da Nymex, os contratos de petróleo para março estavam a US$ 56,50 por barril, em alta de US$ 2,49, ou 4,61%. No mesmo horário em Londres, na ICE Futures, os contratos de petróleo Brent para março estavam a US$ 55,95 por barril, com valorização de US$ 2,27, ou 4,23%. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.