Petróleo sobe a US$ 62,15 após comentários da Opep

Os contratos futuros de petróleo chegaram a subir brevemente acima de US$ 62,00 o barril na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex), em meio a uma onda de compras orientadas por fatores técnicos e comentários considerados bullish (de alta) do presidente da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), segundo operadores e analistas. Edmund Daukoru, presidente da Opep, disse hoje que ele e outros ministros de petróleo do cartel estavam meditando sobre as implicações da queda de 20% dos preços do petróleo ao longo das últimas seis semanas. "Eu estou conferindo com alguns ministros. Não tenho a liberdade de dizer com quem, mas estamos conferindo", disse Daukoru em entrevista à Dow Jones. Os comentários do presidente da Opep, que aumentam a probabilidade de um corte de produção do cartel para impedir uma queda adicional dos preços, se somou ao impulso de compra que surgiu depois que os futuros de petróleo conseguiram se sustentar acima de importantes níveis de suporte. "Eu penso que é mais técnico do que qualquer outra coisa", mas os comentários da Opep podem ter se somado ao movimento de compra, disse Michael Cambria, vice-presidente da Dimon Oil. Às 15h04 (horário de Brasília), na Nymex, os contratos de gasolina para setembro subiam 438 pontos, ou 2,98%, a US$ 1,5150 o galão. Segundo operadores, a acentuada alta dos futuros de gasolina é atribuída a uma série de notícias de refinarias com problemas, incluindo o mau funcionamento de um compressor na refinaria da Valero Energy Corp em Corpus Christi (Texas). No mesmo horário, os contratos de petróleo para outubro subiam US$ 1,15, ou 1,90%, a US$ 61,70 o barril, depois de terem registrado a máxima do dia a US$ 62,15. Às 15h05 (horário de Brasília), em Londres, no sistema eletrônico da ICE Futures, os contratos de petróleo Brent para outubro estavam a US$ 61,22 o barril, alta de US$ 0,81, ou 1,34%. As informações são da Dow Jones.

Agencia Estado,

25 de setembro de 2006 | 15h12

Tudo o que sabemos sobre:
finanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.