Petróleo sobe a US$ 73 com questão geopolítica

As questões geopolíticas retornam como motivo de instabilidade e motivam compras de futuros de petróleo nesta manhã, assim como a expectativa de demanda forte por combustíveis durante o feriado do Dia da Independência nos EUA, que abriu a temporada de férias de verão no país. Os contratos futuros do petróleo são negociados em alta, com o vencimento em agosto subindo 0,68%, para US$ 73,00 por barril, na ICE Futures Exchange, ex-International Petroleum Exchange, em Londres. Na Nymex eletrônica, em Nova York, o volume ainda era afetado pelo feriado prolongado e o contrato para agosto cedia 0,04%, para US$ 73,90 por barril, ajustando-se à queda dos preços na ICE Futures na segunda e terça-feira, quando não houve negócios no mercado norte-americano. Os testes com mísseis da Coréia do Norte davam argumentos para as compras na ICE Futures. Na virada do dia, a Coréia do Norte lançou sete mísseis, que caíram no Mar do Japão, causando reações no ambiente internacional. "Embora as notícias da Coréia tenham tido impacto marginal sobre os preços, os testes acrescentaram incerteza sobre a situação geopolítica atual", comentaram operadores. O ressurgimento da Coréia como preocupação ocorre em um momento de nervosismo do mercado de petróleo com o programa nuclear do Irã, a violência na Nigéria e a escalada das tensões na Faixa de Gaza. Em relação ao Irã, a negociação entre o país e a União Européia sobre seu programa de incentivos para desencorajar o governo de Teerã a enriquecer urânio foi postergado para amanhã. O mercado monitorará também a divulgação dos dados de petróleo pelo Departamento de Energia dos EUA. Os relatórios de estoques sairão amanhã, em razão do feriado de 4 de julho. "A despeito da retração (na Nymex), os preços não devem recuar muito até que se tenha em mãos os dados dos estoques. Os dados devem mostrar manutenção da tendência de queda dos estoques de gasolina e de aumento da demanda", comentaram operadores da SucDen Commodity. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.