Petróleo sobe a US$ 97,50 com fala de dirigente do BCE

Na ICE, os contratos do petróleo Brent para setembro fecharam a US$ 117,06 por barril, em alta de 0,87%

Renato Martins, da Agência Estado ,

19 de julho de 2011 | 17h14

Os preços do petróleo subiram, em reação ao indicador positivo de novas construções de moradias nos EUA e a sinais de que a Europa está mais próxima de resolver a crise da dívida grega.

Nesta terça-feira, Ewald Nowotny, presidente do Banco Nacional da Áustria e membro do Conselho do Banco Central Europeu (BCE), disse que "algumas propostas que envolvem uma situação muito curta de default não teriam, na verdade, grandes consequências negativas". Essa posição é diferente daquela que o BCE tem defendido, de que qualquer participação de credores privados em um pacote de ajuda à Grécia seria um evento de default que obrigaria a instituição a restringir seu crédito aos bancos gregos.

O euro subiu frente ao dólar em reação a essas declarações de Nowotny. Recuos do dólar costumam favorecer altas dos preços do petróleo, ao torná-lo mais barato para compradores que usam outras moedas. No começo da tarde, porém, o dólar recuperou terreno, depois de o presidente Barack Obama manifestar apoio a uma proposta que reduziria o déficit do governo dos EUA em US$ 3,7 trilhões; isso fez os preços do petróleo recuarem das máximas do dia.

Na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex, na sigla em inglês), os contratos de petróleo bruto para agosto fecharam a US$ 97,50 por barril, em alta de US$ 1,57 (1,64%). Na Intercontinental Exchange (ICE), os contratos do petróleo Brent para setembro fecharam a US$ 117,06 por barril, em alta de US$ 1,01 (0,87%). As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
petróleobarrilNymexBrentBCE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.