Petróleo sobe a US$ 99,13 com acordo e decisão da AIE

Na ICE, os contratos do petróleo Brent para setembro fecharam a US$ 117,51 por barril, em queda de 0,54%

Renato Martins, da Agência Estado ,

21 de julho de 2011 | 16h53

Os preços do petróleo subiram, com a reação positiva dos investidores aos progressos para um acordo de ajuda à Grécia. Outro motivo foi a decisão da Agência Internacional de Energia (AIE), de não fazer uma segunda liberação de petróleo de suas reservas. Esses fatores contrabalançaram a queda do índice de atividade industrial dos gerentes de compras da China. Na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex), os contratos de petróleo para setembro chegaram a superar momentaneamente a marca dos US$ 100 por barril.

"Parece que algum tipo de acordo será concretizado na Europa. A catástrofe iminente parece ter sido evitada, mas ainda há dúvidas importantes do ponto de vista do mercado", disse Peter Donovan, da Vantage Trading. Pelos informes preliminares divulgados antes da conclusão da reunião de chefes de governo dos países da zona do euro, o acordo para a dívida da Grécia também vai cobrir Irlanda e Portugal. "Estamos vendo a esperança vencer o medo", comentou o analista Matt Smith, da Summit Energy.

Para Rich Ilczuszyn, da Lind-Waldock, o mercado só deverá encontrar direção depois de as conversações sobre dívida estarem concluídas na Europa e nos EUA. "O mercado está muito sensível a qualquer notícia, e ainda temos uma porção do dinheiro grande preferindo ficar de lado. No mês que vem, ou então em setembro, poderemos ver o mercado encontrando uma direção", acrescentou.

Na Nymex, os contratos de petróleo bruto para setembro fecharam a US$ 99,13 por barril, em alta de US$ 0,73 (0,74%); a mínima foi em US$ 97,20 e a máxima em US$ 100,16. Na Intercontinental Exchange (ICE), os contratos do petróleo Brent para setembro fecharam a US$ 117,51 por barril, em queda de US$ 0,64 (0,54%). As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
petróleobarrilNymexBrentAIE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.