Petróleo sobe; AIE eleva projeção para demanda

Os contratos futuros do petróleo estão em alta, com investidores reconsiderando a avaliação de ontem quanto às negociações relacionadas ao programa nuclear do Irã. "Acreditamos que o mercado ficará sujeito a bruscas mudanças no sentimento, com os preços inclinados à alta, já que as chances de uma solução definitiva (para a questão do Irã) são muito limitadas", disse o Barclays Capital, em nota a clientes. Ontem, o mercado caiu em parte com as considerações positivas feitas no final de semana por autoridades iranianas sobre o pacote de incentivos apresentado pelo Conselho de Segurança da ONU. Às 12h03 (de Brasília), o contrato de julho do petróleo negociado na Nymex subia 0,68%, para US$ 69,45 o barril. Na plataforma eletrônica ICE, de Londres, o contrato de agosto avançava 0,65% para US$ 68,55 o barril. Paralelamente, a Administração de Informação de Energia revisou em alta suas projeções para os preços do petróleo até 2030, prevendo aumento forte na demanda nos países em desenvolvimento e que as nações mais ricas em petróleo irão investir menos na capacidade de produção. No relatório anual Perspectivas para Energia Internacional, a AIE disse que o crescimento econômico global irá elevar em 71% o consumo de energia no mundo entre 2003 e 2030, especialmente na Ásia, América Latina, África e Oriente Médio. Assim, conclui o estudo, o total de energia utilizado no mundo irá crescer de 421 quatrilhões de unidades térmicas britânicas em 2003, para 722 quatrilhões em 2030. A AIE estima que as fontes de energia devem atender a demanda, mas que a utilização do petróleo irá cair de 38% em 2003 para 33% em 2030, por causa do custo do petróleo. O preço do petróleo deverá de uma média de US$ 41,00 o barril em 2004, para US$ 57,00 o barril em 2030. As informações são da Dow Jones.

Agencia Estado,

20 de junho de 2006 | 12h16

Tudo o que sabemos sobre:
finanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.