Petróleo sobe com corte da oferta de país da Opep

Os contratos futuros de petróleo mudam de direção e são negociados em alta, após a Companhia Nacional de Energia de Abu Dhabi comunicar aos seus clientes que está reduzindo as suas exportações da commodity em 5%, a partir de novembro. Abu Dhabi, o maior dos sete Emirados Árabes, se tornou o segundo membro da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) a honrar a promessa de redução da produção pelo cartel de 1,2 milhão de barris por dia. O primeiro a aderir foi a Arábia Saudita. A produção estimada dos Emirados Árabes Unidos em setembro foi de 2,6 milhões de barris por dia, acima da cota oficial imposta pela Opep - 2,4 milhões de barris por dia. Outro fator que impulsionava compras era a expectativa em torno dos estoques de petróleo e derivados na semana passada nos EUA. Segundo pesquisa realizada pela Dow Jones, os consultados projetam, na média, aumento de 2,7 milhões de barris de petróleo bruto. Para os estoques de derivados, a previsão consensual é de declínio de 1,6 milhão de barris. Uma queda mais acentuada dos estoques de derivados pode despertar preocupação adicional, uma vez que o Hemisfério Norte caminha para o inverno. Por volta das 12h15, o contrato futuro do petróleo para dezembro subia 0,92%, para US$ 59,35 por barril, na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex). O contrato do Brent de mesmo vencimento era negociado em alta de 0,90%, a US$ 59,74, em Londres. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.