Petróleo sobe com corte da oferta pelo Irã e ajuste a relatórios

Os contratos futuros de petróleo são negociados em alta, com o anúncio de que o Irã reduzirá suas entregas da commodity em novembro, além de ajustes para os relatórios de estoques norte-americanos na semana passada. O representante do Irã para a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), Hossein Kazempour Ardebili, afirmou que seus clientes vão receber uma quantidade menor de petróleo, com o país cumprindo a decisão da Opep de reduzir a produção conjunta em 1,2 milhão de barris por dia. Ardebili disse que a produção iraniana será reduzida em 176 mil barris por dia, a partir de novembro. O nível atual de produção do país é 4,17 milhões de barris por dia. O corte responde por 14,7% da redução total prometida pela Opep. "A notícia ajuda a respaldar a credibilidade do corte da Opep, mas ainda precisamos ver o que será, efetivamente, entregue antes de ficarmos muito otimistas", disse um operador. Paralelamente, os investidores ajustam posições para os relatórios que o American Petroleum Institute (API) e o Departamento de Energia (DoE) divulgam às 11h30. O principal interesse recai sobre a variação nos estoques de derivados, com os analistas prevendo uma redução de 1,6 milhão de barris. A previsão média de 11 analistas ouvidos pela Dow Jones para a variação nos estoques de petróleo bruto é um crescimento de 2,7 milhões de barris, enquanto para a gasolina, o prognóstico é de redução de 900 mil barris. Às 9h34 (de Brasília), o contrato futuro para dezembro subia 0,35%, para US$ 59,56 por barril, no pregão eletrônico da Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex). Na ICE Futures Exchange, em Londres, a alta do petróleo Brent de mesmo vencimento era de 0,60%, para US$ 60,22. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.