Petróleo sobe com dado forte de imóveis nos EUA

Às 13h20, o contrato para junho era negociado na Nymex eletrônica em alta de 1,09%, a US$ 84,62 o barril

Marcílio Souza, da Agência Estado,

23 de abril de 2010 | 13h26

Os contratos futuros de petróleo operam em alta esta tarde em Nova York, ajudados pelo forte aumento de 26,9% das vendas de imóveis residenciais novos em março nos EUA. Os analistas projetavam, em média, expansão de 5,5%. Às 13h20, o contrato para junho era negociado na Nymex eletrônica em alta de 1,09%, a US$ 84,62 o barril.

 

O dado alimenta a expectativa de crescimento maior da economia, o que é favorável ao petróleo, e ajudou a apagar as perdas que vinham sendo registradas nos últimos dias, provocadas pelas preocupações com a situação financeira da Grécia e o excesso de oferta da commodity e seus derivados nos EUA.

 

"O indicador de imóveis realmente parece ter dado um impulso" ao petróleo, disse o presidente da consultoria Ritterbusch and Associates, Jim Ritterbusch. "Toda vez que há um dado econômico favorável, ele provoca um novo fluxo de capital para o campo do petróleo."

 

Ainda assim, o contrato para junho opera quase US$ 2 abaixo do de julho, o que reflete tanto o excesso de oferta em Cushing quanto a esperança de que a recuperação econômica e a demanda por petróleo vão melhorar no final deste ano. Esse desconto do contrato de prazo mais curto e a perspectiva de preços mais altos à frente criam uma situação ideal para as refinadoras, que podem obter margens de lucro maiores com a compra de petróleo barato e o refino para transformá-lo em gasolina ou outro derivado.

 

Essas condições positivas fizeram aumentar a atividade nos mercados de petróleo. "O lado comercial está se envolvendo", disse o corretor Tony Rosado, da GA Global Markets. "Eles não viam condições tão boas quanto essas há quase dois anos." As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
petróleoimóveis

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.