Petróleo sobe com EUA e falha em oleoduto no Canadá

Os contratos futuros de petróleo negociados na New York Mercantile Exchange (Nymex) fecharam em leve alta nesta terça-feira, ainda recebendo suporte da interrupção no fluxo de um importante oleoduto no Canadá, além de indicadores econômicos positivos divulgados nos Estados Unidos. O contrato de petróleo mais negociado, com entrega para agosto, avançou US$ 0,14 (0,15%), fechando a US$ 95,32 o barril. Na plataforma eletrônica ICE, o barril do petróleo do tipo Brent para agosto teve alta de US$ 0,10 (0,10%), encerrando a sessão a US$ 101,26.

AE, Agencia Estado

25 de junho de 2013 | 17h00

Os indicadores dos EUA nesta terça-feira trouxeram notícias positivas. As encomendas de bens duráveis registraram alta de 3,6% em maio, acima da previsão de aumento de 3,2%. A confiança do consumidor medida pelo Conference Board avançou para 81,4 em junho, acima da previsão de 75,5. As vendas de moradias usadas também superaram a expectativa e subiram 2,1% em maio, para o nível mais alto desde julho de 2008. Já o índice de atividade industrial da região do Federal Reserve (Fed) de Richmond subiu para 8 em junho, de -2 em maio.

Entre outros dados, os preços das residências nas 20 maiores áreas metropolitanas do país subiram 12,1% em abril ante igual mês de 2012, de acordo com a S&P/Case-Shiller. A estimativa era de avanço de 11,1%. Já o índice de preços das moradias medido pela Agência Federal de Financiamento Imobiliário (FHFA, na sigla em inglês) subiu 0,7% em abril, na comparação com março, abaixo da alta de 1,2% esperada.

Além disso, os participantes do mercado continuam a tentar avaliar os impactos do fechamento de um oleoduto no Canadá. Nesta terça, a Enbrige, operadora do duto na região de Cheecham, em Alberta, detectou um vazamento de 750 barris que teria sido causado pelas enchentes na área. A região é uma grande produtora de petróleo de areias betuminosas e ainda não está claro o exato volume de produção afetado.

Apesar disso, alguns analistas apontam que a forte alta do petróleo terça-feira em função do fechamento do oleoduto foi exagerada. "Os mercados estão esquizofrênicos. O fechamento do oleoduto não me parece um motivo razoável para a forte alta de ontem (24)", afirma o diretor-gerente da IAF Advisors, Kyle Cooper. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
Petróleofechamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.