Petróleo sobe com Opep e notícias de teste da Coréia

O petróleo está em alta, em meio à expectativa de que o corte de um milhão de barris por dia da produção poderá finalmente ser acertado pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) esta semana. O mercado também reage aos temores geopolíticos acentuados por informes de que a Coréia do Norte pode estar preparando um segundo teste nuclear. Em Londres, na ICE, o contrato do petróleo Brent para dezembro estava em alta de 1,31% às 8h40 (de Brasília), em US$ 62,47, enquanto em Nova York, na Nymex, o barril do West Texas para novembro subia 0,93% para US$ 60,50. Segundo a edição online do Financial Times, autoridades da Coréia do Sul e do Japão disseram esta manhã que estão averiguando informes de que a Coréia do Norte estaria preparando uma segunda explosão, um dia depois de os EUA terem confirmado a realização do primeiro teste nuclear norte-coreano na semana passada. As redes de teve norte-americana NBC e ABC disseram hoje cedo que satélites espiões dos EUA detectaram atividade suspeita pelo local da primeira explosão nuclear por Pyongyang. A Opep divulgou nota ontem afirmando que "as incertezas sobre as perspectivas econômicas globais, particularmente nos EUA, a desaceleração do crescimento global, a recuperação da oferta de fora da Opep e os altos níveis dos estoques desencadearam um forte sentimento baixista no mercado". Esta declaração forte pode ter levado o mercado a concluir que o cartel esta olhando para um segundo corte na produção, após o esperado para esta semana, talvez em dezembro, disse Edward Meir, de Man Financial. Ainda reforçando os temores geopolíticos, os ministros de Relações Externas da UE devem se reunir nesta terça-feira para pedir que o Conselho de Segurança da ONU imponha sanções ao Irã depois da recusa do país de suspender seu programa de enriquecimento nuclear.

Agencia Estado,

17 de outubro de 2006 | 08h46

Tudo o que sabemos sobre:
finanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.