Petróleo sobe com previsão de furações e Opep

O petróleo opera em alta, sustentado por previsões de temporada ativa de furacões nos Estados Unidos, por informações de incêndio em uma refinaria da Valero e pelo apoio da Venezuela a eventual corte da produção de petróleo pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep). A Opep se reúne na quinta-feira na semana que vem, dia 1º de junho. "Os fundamentos do mercado pedem redução da produção", disse ontem o ministro do petróleo da Venezuela, Rafael Ramirez. Atualmente, a cota de produção oficial da Opep para seus 10 membros ativos está em 28 milhões de barris ao dia, nível recorde de produção mantido há dez meses consecutivos. Também ontem, a Administração Atmosférica e Oceânica Nacional dos Estados Unidos (NOAA) disse haver probabilidade de 80% de que a próxima temporada de furacões no oceano Atlântico, a começar em 1º de junho, será "mais ativa do que normal". Mas ela não deverá ser tão forte como a de 2005, segundo previsão feita ontem pela administração. Oficialmente, a temporada de furacões começa em 1º de junho A apreciação do petróleo segue-se à queda de quase 5% na semana passada da commodity, quando surgiram preocupações de que a elevação nos preços poderiam aumentar o custo de vida e, por conseqüência, prejudicar o consumo. Às 11h46 (de Brasília), o contrato de julho subia 1,84% para US$ 71,25 o barril. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.