Petróleo sobe, com queda dos estoques de gasolina

Os contratos futuros de petróleo negociados na New York Mercantile Exchange (Nymex) superaram a marca de US$ 68 o barril pela primeira vez em mais de dois meses, e os contratos de gasolina atingiram a máxima em seis meses, acima de US$ 2 o galão, impulsionados pelas preocupações com a oferta do combustível durante o verão no hemisfério norte. Essas preocupações cresceram ontem, quando o Departamento de Energia anunciou uma queda de 4,4 milhões de barris dos estoques de gasolina, bem maior que o declínio de 1,6 milhão esperado, e um recuo de 87% para 85,9% da taxa de utilização da capacidade das refinarias. "O fato de a taxa de utilização ter caído sugere que os trabalhos de reparos nas refinarias não estão correndo tão bem", disse o analista Mike Fitzpatrick. "Hoje de novo nós vimos uma resposta (dos preços) ao relatório de ontem." Os ganhos dos contratos futuros do complexo de energia ocorreram num ambiente de alta generalizada das commodities, causada em grande parte por dinheiro especulativo. O ouro, por exemplo, chegou a romper os US$ 600 a onça-troy no pregão eletrônico, pela primeira desde o início de 1981. Os contratos de prata para maio, por sua vez, atingiram o maior nível desde 1983. Os futuros de petróleo também receberam compras esta semana relacionadas à aproximação do lançamento de um fundo que vai acompanhar a oscilação dos contratos da commodity na Nymex e será negociado na American Stock Exchange. O lançamento, que já foi atrasado e é amplamente esperado pelo mercado, poderá ocorrer na próxima semana, assim que a SEC (Comissão de Valores Mobiliários dos EUA) der sinal verde. As compras antes do lançamento do ativo ETF, que acompanha os futuros de prata, deram forte impulso ao metal nas últimas semanas. "Talvez alguns operadores estejam pensando que o mesmo ocorrerá com o petróleo bruto", disse um analista. Na Nymex, o contrato de petróleo bruto para maio avançou US$ 0,87 (+1,30%), fechando em US$ 67,94 o barril. A mínima foi em US$ 67,10 e a máxima em US$ 68,20. O contrato de gasolina para maio subiu 509 pontos, para US$ 1,9980 o galão. A máxima foi em US$ 2,0040 o galão. Em Londres, no sistema eletrônico da ICE Futures, os contratos de petróleo Brent para maio fecharam em US$ 67,84 o barril, alta de US$ 0,74. A mínima foi de US$ 67,38 e a máxima de US$ 68,24. As informações são da Dow Jones.

Agencia Estado,

06 Abril 2006 | 17h01

Mais conteúdo sobre:
finanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.