Petróleo sobe com tensão no Irã, mas fecha em alta leve

Os contratos futuros de petróleo chegaram a subir acima de US$ 73,00 o barril, mas fecharam em leve alta na New York Mercantile Exchange (Nymex), depois que o impulso inicial dado pela ameaça do Irã de interromper o fluxo de petróleo perdeu fôlego ao longo da sessão, segundo operadores e analistas. O movimento foi desencadeado pela declaração do líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei, alertando que o país poderá interromper os embarques de petróleo da região do Golfo Pérsico se sofrer um ataque dos EUA. "Se você cometer qualquer erro, definitivamente o embarque de energia desta região será seriamente ameaçada. Você deve saber disse", disse Khamenei em discurso transmitido ao vivo pela rádio estatal iraniana. Khamanei também alertou os EUA e seus aliados que não será possível proporcionar segurança para os embarques de petróleo através do estreito de Ormuz se ocorrer uma interrupção. Mais de 16 milhões de barris de petróleo por dia, ou cerca de 20% da oferta mundial total, passam pelo estreito. O duro alerta fez o mercado ficar "nervoso, mas não tão nervoso", disse o diretor de análise de mercado da empresa de consultoria PFC Energy, Carl Calabro. "Neste momento, isto é tudo conversa", disse. Na Nymex, os contratos de petróleo para julho fecharam a US$ 72,60 o barril, alta de US$ 0,27 (0,37%). A mínima foi de US$ 72,10 e a máxima de US$ 73,40. Em Londres, no sistema eletrônico da ICE Futures, os contratos de petróleo Brent para julho fecharam a US$ 71,37 o barril, alta de US$ 0,34. A mínima foi de US$ 70,87 e a máxima de US$ 72,67. As informações são da Dow Jones.

Agencia Estado,

05 de junho de 2006 | 17h59

Tudo o que sabemos sobre:
finanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.