Petróleo sobe mais de 1% para cerca de US$ 61 o barril

Os contratos futuros de petróleo operam em alta nos sistemas eletrônicos da Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex) e ICE Futures Exchange, em Londres, após a recuperação iniciada na sessão anterior, mas o dia reserva a divulgação dos relatórios de estoques norte-americanos, que devem gerar volatilidade nos negócios com a commodity. Às 9h07 (de Brasília), o contrato futuro de petróleo para novembro subia 1,13%, para US$ 61,70 por barril, no sistema eletrônico da Nymex. Na ICE Futures Exchange, o contrato do Brent para novembro se valorizava 1,33%, para US$ 60,92 por barril. Os contratos fecharam acima das mínimas na sessão de ontem. Na Nymex, os contratos de petróleo bruto para novembro fecharam a US$ 61,01 por barril, em queda de US$ 0,44, mas acima da mínima foi de US$ 60,60. Na ICE, os contratos do petróleo Brent para novembro chegaram a tocar um nível abaixo de US$ 60, indo para os US$ 59,70, mas fecharam a US$ 60,12 por barril, em queda de US$ 0,68. Os operadores afirmaram que a recuperação do Brent da mínima de US$ 59,70 e o fechamento acima dos US$ 60 pelo segundo dia consecutivo deram margem para um início positivo dos negócios nesta quarta-feira, especialmente, após notarem que as vendas secaram nas mínimas, além de a atividade ter ficado mais branda. De uma perspectiva técnica, as atividades dos últimos dias apontam para um período de consolidação e os analistas avaliam que os níveis oferecem um sinal de que o mercado está atingindo seu piso. Um operador afirmou que o "inside day" - quando a faixa de oscilação do dia se acomoda na mesma banda da sessão anterior - de terça-feira sugere que um movimento decisivo deve ocorrer em breve. "O próximo movimento para fora desses parâmetros deve definir a direção no curto prazo", afirmou. "No momento, acreditamos que o mercado está inclinado a subir, mas tudo dependerá dos relatórios de estoques", completou um operador. Os relatórios impediam que os operadores assumissem posições amplas, uma vez que a ampliação intensa dos estoques de derivados nas últimas semanas tem limitado o sentimento do mercado. Pesquisa realizada pela Dow Jones mostrou que a previsão dos analistas é de declínio de 1,92 milhão de barris para os estoques de petróleo bruto e de crescimento de 2 milhões para os níveis de derivados. A expectativa é de aumento de 260 mil barris nos estoques de gasolina. Outro fator que oferecia suporte ao mercado eram os sinais adicionais indicando desconforto da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) com o comportamento de baixa do petróleo. Na segunda-feira, o presidente da Opep, Edmund Daukoru, afirmou que ele e outros ministros de petróleo do grupo estavam avaliando a implicação da queda de cerca de 20% dos preços do petróleo nas últimas seis semanas. A retórica foi intensificada ontem, quando o presidente da Opep disse que "algo precisa ser feito para estabilizar os preços do petróleo". As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.