Petróleo sobe mais de 2% com incerteza sobre produção

Os contratos futuros de petróleo ampliam a alta, refletindo a incerteza em relação aos problemas no fornecimento do produto do campo petrolífero da BP, em Prudhoe Bay, no Alasca. "Os operadores estão prevendo o pior cenário possível - o de suspensão prolongada do fornecimento", comentou um operador. Segundo analistas, se o problema levar meses para ser sanado, o petróleo pode chegar ao recorde de US$ 80. Às 12h59, o contrato do petróleto tipo Brent para setembro subia 2,31%, para US$ 77,93 por barril, na ICE Futures Exchange, em Londres. Na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex), o contrato para setembro avançava 2,53%, para US$ 76,70 por barril. A alta persistia apesar dos comentários do secretário do Departamento de Energia dos Estados Unidos, Samuel Bodman. Ele afirmou que o petróleo das reservas estratégicas de petróleo dos EUA pode ser direcionado para as refinarias da Costa Oeste que estiverem precisando de uma quantia adicional do produto. A BP anunciou o fechamento, por um período indeterminado, do maior campo petrolífero dos EUA, após encontrar um vazamento de petróleo em uma linha de distribuição. A medida deve reduzir em 8% a produção de petróleo diária dos EUA, alimentando a preocupação quanto a uma disparada ainda maior dos preços de derivados. "Claro que estou preocupado", afirmou. "Podemos levá-lo (petróleo) à Costa Oeste por embarcações ou por outros métodos", disse. Além de se referir ao transporte por embarcações do petróleo, Bodman disse que o petróleo pode chegar às refinarias da Costa Oeste por meio de trocas. Segundo o secretário, as reservas estratégicas de petróleo poderiam seguir para uma refinaria e essa refinaria poderia redirecioná-lo e embarcá-lo para refinarias do Oeste. A Opep, por sua vez, afirmou que tem capacidade ociosa suficiente para preencher eventuais lacunas na produção. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.