Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Petróleo sobe por alta em Bolsas e expectativa com Fed

Os contratos futuros de petróleo negociados na New York Mercantile Exchange (Nymex) reverteram as perdas do começo da sessão e fecharam em leve alta nesta quarta-feira, 26, acompanhando os ganhos dos mercados acionários e com as expectativas com o Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos).

Agencia Estado

26 de junho de 2013 | 17h21

O contrato de petróleo mais negociado, com entrega para agosto, avançou US$ 0,18 (0,18%) e encerrou a US$ 95,50 o barril. Na plataforma eletrônica ICE, o barril do petróleo do tipo Brent para agosto subiu US$ 0,40 (0,39%), para US$ 101,66.

Os ganhos do petróleo aconteceram mesmo com uma alta inesperada nos estoques dos EUA. Os estoques de petróleo bruto subiram 18 mil barris na semana encerrada em 21 de junho, para 394,139 milhões de barris, segundo o Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês). Analistas consultados pela Dow Jones previam uma queda nos estoques de 1,7 milhão barris.

Já os estoques de gasolina avançaram 3,653 milhões de barris, enquanto analistas esperavam alta de 700 mil barris. Os estoques de destilados subiram 1,567 milhão de barris, ante uma estimativa de aumento de 500 mil barris. E a taxa de utilização da capacidade das refinarias subiu para 90,2%, quando a previsão era de que a taxa avançaria para 89,6%.

"Os traders estão procurando por sinais sobre os fundamentos, mas o relatório do DoE hoje não foi muito conclusivo", afirmou Julius Walker, estrategista de energia do UBS. Para Michael Lynch, presidente da Strategic Energy & Economic Research, os operadores preferiram focar no aumento da atividade das refinarias. Segundo ele, as refinarias voltaram a trabalhar em um nível bom e isso deve colaborar para a redução dos estoques nos próximos meses.

Mais cedo, o Departamento do Comércio dos EUA revisou de 2,4% para 1,8% a taxa de crescimento anualizada do Produto Interno Bruto (PIB) no primeiro trimestre. Apesar da correção, os mercados financeiros foram impulsionados pela perspectiva de que o dado adie a redução nas ações de estímulo do Fed. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
petróleofechamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.