Petróleo sobe sustentado pela tensão no Oriente Médio

Os contratos futuros de petróleo registraram ganhos modestos em Londres e Nova York, com os operadores relutantes em vender o ativo em meio a possibilidade de Israel invadir o Líbano por terra neste final de semana, segundo analistas. Os preços do petróleo atingiram a máxima histórica a US$ 78,40 o barril há uma semana, em reação ao início dos combates entre Israel e o Hezbollah, principalmente por causa dos temores de que o Irã - que apóia o Hezbollah - pudesse se envolver no conflito, ameaçando a oferta de petróleo do Golfo Pérsico. Embora os preços dos futuros de petróleo tenham recuado 5% em comparação com a máxima histórica, com o arrefecimento das preocupações sobre um possível envolvimento do Irã, as cotações da commodity permaneceram em níveis elevados antes do final de semana, com as tropas de Israel se concentrando ao longo da fronteira com o Líbano e os militares israelenses dizendo que podem conduzir "operações por terra limitadas". "A situação no Oriente Médio é o que está no topo da cabeça das pessoas, não há muitos que queiram ficar vendidos antes do final de semana, porque ninguém sabe o que irá acontecer", disse o corretor da Starsupply GFI em New Jersey, Justin Foshz. A tensão na região permaneceu elevada durante toda a semana, com Israel aumentando os ataques contra o Líbano, matando mais de 300 pessoas e provocando a fuga de mais de 500 mil pessoas. Contudo, até agora o Irã e a Síria - que também dá suporte ao Hezbollah - não mostraram sinais de querer se envolver diretamente nos combates e Israel disse que não há possibilidade de o conflito se espalhar para fora do Líbano. Porém, uma invasão por terra do Líbano poderá abalar qualquer confiança no mercado de não envolvimento da Síria e do Irã. Na Nymex, os contratos de petróleo para setembro terminaram a US$ 74,43 o barril, alta de US$ 0,16 (0,22%). A mínima foi de US$ 73,90 e a máxima de US$ 75,20. Em Londres, no sistema eletrônico da ICE Futures, os contratos de petróleo Brent para setembro fecharam a US$ 73,75 o barril, alta de US$ 0,03. A mínima foi de US$ 73,29 e a máxima de US$ 74,65. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.