Petróleo supera US$ 60 o barril pela 1ª vez no ano

Os contratos futuros de petróleo romperam hoje o nível psicológico dos US$ 60 por barril pela primeira vez em 2007, na virada do dia, mas o movimento de alta se diluiu com a realização de lucros estimulada pela ausência de fundamentos. Às 8h28, o contrato futuro para março do petróleo cedia 0,35%, a US$ 59,50 por barril, no sistema eletrônico da Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex), depois de ter sido negociado a US$ 60,42, na máxima. O contrato do petróleo disparou quase 3,5%, para US$ 59,71 por barril, no momento de fechamento do pregão de viva-voz de ontem da Nymex, com os operadores voltando a testar uma aproximação com a marca dos US$ 60,00 na esteira de sinais de que o frio intenso no Hemisfério Norte seguirá alavancando a demanda por óleo para calefação. No entanto, os operadores não encontraram suporte para manter as compras ao tomarem conhecimento de dados sobre cortes da produção da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) propostos para o início deste mês. As exportações por via marítima de petróleo dos países da Opep devem totalizar 24,32 milhões de barris por dia nas quatro semanas até 24 de fevereiro, de acordo com o levantamento da consultoria independente Oil Movements. O volume representa uma queda de 120 mil barris por dia na comparação ao período anterior de quatro semanas, mas está bem abaixo da proposta alinhavada pela Opep com seus países membros de reduzir a produção em mais 500 mil barris por dia, a partir de fevereiro. "Eles (os países membros) estão apenas oscilando na direção do mercado", comentou o chefe da Oil Movements, Roy Mason. O mercado acredita que a Opep só conseguiu implantar metade da redução de 1,2 milhão de barris por dia acertada entre seus membros desde o início de novembro passado, em razão do baixo comprometimento dos países membros com suas respectivas cotas de produção. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.