Petróleo tem leve alta em reação atrasada a estoques

Os contratos futuros do petróleo são negociados em leve esta manhã, com os operadores atribuindo o movimento à repercussão dos relatórios, divulgados ontem, de estoques do produto e de derivados na semana passada nos EUA. Porém, os dados de estoques não foram suficientes ontem para sustentar compras de contratos do petróleo, que fecharam em queda forte. Hoje, às 10h55 (de Brasília), o contrato para março subia 0,05%, a US$ 57,74 por barril, no pregão eletrônico da Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex). Na ICE Futures Exchange, em Londres, o petróleo do tipo Brent para o mesmo vencimento era negociado em alta de 0,24%, a US$ 57,37 por barril. Ontem, o contrato de março do petróleo bruto não conseguiu romper a resistência de US$ 60 por barril. Relatórios mostraram que os estoques de destilados caíram 3,7 milhões de barris na semana passada nos EUA, indicando uma corrosão acima do declínio de 2,99 milhões de barris esperado pelos economistas ouvidos pela Dow Jones. Os estoques de petróleo caíram 400 mil barris na semana passada, contrariando previsão de alta de 950 mil barris. Os estoques de gasolina subiram 2,6 milhões de barris, acima da previsão de aumento de 1,35 milhão de barris. Mas, de acordo com operadores, muitos encontravam-se posicionados para queda ainda maior dos estoques de destilados e se mostraram decepcionados com os números. Além dos dados, o mercado tem reagido a informações sobre o clima no Hemisfério Norte. Hoje, uma forte nevasca dificultou a movimentação dos britânicos, obstruindo estradas, interrompendo os vôos em vários aeroportos e gerando atrasos no serviço de transporte na região de Londres. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.