Petróleo termina em baixa com clima ameno nos EUA

Os contratos futuros de petróleo caíram 2,58% na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex), pressionados pelo enfraquecimento dos futuros de óleo para aquecimento e gasolina, segundo operadores e analistas. Entre os futuros de produtos, os contratos de óleo para aquecimento foram pressionados pela elevação das temperaturas, para moderadas, e previsões de temperaturas acima do normal ao longo dos próximos seis a 14 dias para a região nordeste dos EUA. Uma fraqueza geral em outros mercados financeiros e de commodities se somou ao impulso dos operadores de fecharem apostas de alta dos preços estabelecidas no início da semana. "Foi simplesmente uma liquidação sobre todos os comprados (investidores que apostam na alta)", disse o vice-presidente sênior da corretora Man Financial em Nova York, Mary Haskins. "Ficamos em alta durante grande parte da semana, mas teremos temperaturas mais amenas no final de semana e o petróleo falhou em subir acima de US$ 62,00 (por barril) com convicção", acrescentou. "Parece simplesmente que o impulso se esgotou", disse o analista Mike Zarembski, da Xpresstrade, em Chicago. "Parece que ninguém estava disposto a comprar antes do final de semana, especialmente com uma liquidação nos produtos", acrescentou. No pregão viva-voz da Nymex, os contratos de gasolina para abril caíram 240 pontos, ou 1,25%, e fecharam a US$ 1,9021 por galão, enquanto os contratos de óleo para aquecimento para abril recuaram 491 pontos, ou 2,79%, e fecharam a US$ 1,7122 por galão. Os contratos de petróleo para abril caíram US$ 1,59, ou 2,58%, e fecharam a US$ 60,05 por barril; a mínima foi de US$ 59,99 e a máxima de US$ 61,83. Em Londres, no sistema eletrônico ICE Futures, os contratos de petróleo Brent para abril caíram US$ 1,20, ou 1,93%, e fecharam a US$ 61,13 por barril. A mínima foi de US$ 61,06 e a máxima de US$ 62,58. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.