Petróleo termina o dia acima de US$ 66 em NY

O petróleo fechou acima do US$ 66,00 o barril pela primeira vez em quase sete meses, com os operadores precificando uma provável escalada da tensão entre Reino Unido e o Irã por causa da captura de 15 marinheiros britânicos pelos iranianos. O contrato para maio chegou a subir a US$ 66,50 o barril, mas fechou em US$ 66,03 o barril, alta de US$ 1,95, ou 3,04%, em US$ 66,03. "O movimento está claramente relacionado com o Irã", disse Pete Donovan, da Vantage Trading, em Nova York. "Os operadores não querem ficar vendidos e estão comprando o contrato à vista e vendendo os contratos para entrega futura", disse. O primeiro-ministro do Reino Unido, Tony Blair, disse que seu governo não vai negociar com o Irã a liberação dos marinheiros capturados na sexta-feira passada, ampliando a perspectiva de um impasse prolongado com o Irã, o segundo maior produtor de petróleo do Golfo Pérsico. Embora a ameaça de conflito armado no Golfo seja vista como relativamente pequena, os operadores estão nervosos desde a semana passada. Na última sexta-feira, os preços do petróleo deram um salto de mais de 7%. Na terça-feira, os futuros subiram 8% e superaram brevemente a marca de US$ 68,00 no after-market (período de negócios após o pregão regular) com os rumores de que o Irã havia disparado contra um navio dos EUA no Golfo. Em Londres, na ICE, o contrato para maio do Brent subiu US$ 2,26, ou 3,44%, para US$ 68,04. Na Nymex, o óleo para calefação para abril subiu US$ 0,0481, para US$ 1,8755 o galão. A gasolina Rbob para abril disparou 3,81%, para US$ 2,1355 o galão. A contínua força da Rbob tem sido um dos fatores de alta nos futuros de energia. A gasolina subiu mais de 50% desde janeiro por causa da queda nos estoques e nas importações e da forte demanda. As informações são da agência Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.