Petróleo termina o dia em nível recorde, a US$ 76,70

Os contratos futuros de petróleo voltaram a fechar em nível recorde, tanto na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex) como na Bolsa Internacional de Commodities (ICE), de Londres. O mercado mostrou preocupação com a ofensiva militar de Israel contra o Líbano. Os países envolvidos não são exportadores de petróleo, mas a crise ameaça envolver outros países da região, que é a maior em exportação de petróleo do mundo, o que levou os operadores a aumentarem o prêmio de risco embutido nos preços. "A escalada do conflito trouxe muito dinheiro de investidores para o petróleo, que agora é visto como 'porto seguro'", comentou o consultor Peter Beutel, da Cameron Hanover. Analistas da Barclays Capital disseram que o teste dos US$ 80 por barril é "iminente", porque o conflito pode degenerar para "uma conflagração regional, com potencial para a Síria envolver-se também". Na Nymex, os contratos de petróleo bruto para agosto fecharam a US$ 76,70 por barril, em alta de US$ 1,75; a mínima foi em US$ 74,91 e a máxima em US$ 76,85. Na ICE, os contratos de petróleo do tipo Brent para agosto fecharam a US$ 76,69 por barril, em alta de US$ 2,30, com mínima em US$ 74,70 e máxima em US$ 76,95. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.