Petróleo vira sinal e cai abaixo de US$ 74 o barril

Os contratos futuros de petróleo devolveram os ganhos iniciais e recuam abaixo de US$ 74,00 o barril na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex), aproximando-se da mínima em uma semana, com os operadores aparentemente considerando improvável o potencial de propagação da guerra entre Israel e Líbano para outras áreas do Oriente Médio. Contudo, alguns analistas alertam que o envolvimento do Irã no conflito permanece sendo uma possibilidade. "O temor vem do potencial envolvimento do Irã na atual crise, uma vez que nem Israel e nem o Líbano são grandes produtores, consumidores ou distribuidores de produtos de energia", disse o economista Rakesh Shankar, da Moody's Economy.com. Contudo, "continuamos a acreditar que o envolvimento do Irã na crise será basicamente relegado a declarações bombásticas, ao invés de qualquer ação em particular", disse. O Irã se beneficia mais em elevar os preços do petróleo através de um potencial de ação, ao invés de realmente cortar sua produção, explicou o analista. Portanto, "a possibilidade do Irã impor qualquer tipo de embargo através do cancelamento de suas exportações é altamente improvável", disse. Além disso, se o Irã - o quarto maior produtor mundial de petróleo - se envolver no conflito Israel/Líbano, isso provavelmente não irá acontecer por opção, disse Shankar, chamando a atenção para a possibilidade de que "uma potencial escalada no conflito poderá ser uma decisão de Israel de atacar um alvo iraniano ou da Síria". Mais, "agentes desestabilizadores dentro da província de Khuzestan, no sul do Irã, onde se encontra a maior parte das reservas de petróleo do país, podem atacar e danificar um dos alvos de petróleo do Irã", disse o economista. "Essa é uma ameaça muito real, e uma que seria imensamente desestabilizadora tanto para o governo iraniano quanto para o mercado de petróleo", acrescentou. Perto do horário de fechamento do pregão viva-voz na Nymex, os contratos de petróleo para agosto eram cotados a US$ 73,55 o barril, queda de US$ 1,75 (2,32%), depois de terem registrado uma mínima no dia de US$ 73,50. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.