Petróleo volta a cair com menor tensão sobre o Irã

Os contratos futuros de petróleo voltaram a fechar em baixa em Londres e Nova York, pressionados em parte pela redução das preocupações geopolíticas, segundo operadores e analistas. Depois dos futuros de petróleo terem registrado nova máxima recorde na sexta-feira na New York Mercantile Exchange (Nymex), os operadores decidiram realizar lucro em meio a especulações sobre uma solução diplomática para o impasse nuclear envolvendo o Irã. A União Européia (UE) disse que espera por uma resposta sólida do Irã sobre o pacote de incentivos oferecido pelas potências ocidentais como forma de colocar fim ao impasse sobre o programa nuclear de Teerã. Embora o Irã tenha dito que só vai dar uma resposta sobre o pacote no próximo mês, o chefe da política externa da UE tem esperança de receber uma resposta positiva que poderá ser apresentada nesta quarta-feira em Paris, na conferência de ministros de Relações Exteriores do Reino Unido, França, Alemanha, Rússia, EUA e China. Apesar de um acordo com o Irã ainda estar longe de ser concluído, os operadores permanecem otimistas com relação às negociações entre o Irã e as nações européias. "As preocupações relacionadas ao Irã ajudaram a dar impulso de alta ao mercado nas últimas semanas", disse o analista do BNP Paribas Futures em Nova York, Tom Bentz. "Hoje, apenas tiramos um pouco de ar daquela alta, antes da rodada de negociação Irã/UE que começa amanhã", acrescentou. Na Nymex, os contratos de petróleo para agosto fechou a US$ 73,61 o barril, queda de US$ 0,48 (0,65%). A mínima foi de US$ 72,90 e a máxima de US$ 73,95. Em Londres, no sistema eletrônico da ICE Futures, os contratos de petróleo tipo Brent para agosto terminaram a US$ 72,89 o barril, recuo de US$ 0,62. A mínima foi de US$ 72,11 e a máxima de US$ 73,26. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.