Petróleo volta a ser negociado abaixo de US$ 60 o barril

Os contratos futuros de petróleo estão abaixo de US$ 60,00 por barril nas transações fechadas em Londres e em Nova York hoje. Os investidores se mantêm cautelosos, porém, com os operadores ajustando posições para a divulgação dos relatórios de estoques do produto e derivados na semana passada nos EUA. A puxada dos preços para acima de US$ 60,00 ontem era interpretada como um sinal de que os investidores estariam olhando para além do inverno no Hemisfério Norte e passando a se focar na expectativa de demanda por gasolina durante a temporada de verão. "As previsões meteorológicas sugerem aumento das temperaturas para a próxima semana. E como caminhamos para a primavera, as temperaturas tender a se manter mais elevadas a partir de agora", comentou o estrategista de commodity da Commonwealth Bank of Australia, Tobin Gorey. Às 9h15, o contrato para abril do petróleo do tipo leve cedia 0,43%, a US$ 59,81 por barril, no sistema eletrônico da Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex). Mais cedo, o contrato atingiu a mínima de US$ 59,61 por barril, enquanto a máxima da manhã foi a US$ 60,19 por barril. Ontem, o contrato subiu 2,07% e fechou a US$ 60,07, superando o patamar de fechamento de US$ 60 pela primeira vez este ano. Na ICE londrina, o Brent de mesmo vencimento recuava 0,22%, a US$ 59,22 por barril, após ter subido 2,41% para US$ 59,38 o barril na sessão anterior. Os relatórios de estoques de petróleo serão divulgados às 13h30 (de Brasília). A mediana das expectativas de nove analistas entrevistados pela Dow Jones é de um aumento de 700 mil barris nos estoques de petróleo bruto e um crescimento de 100 mil barris para os estoques de gasolina na semana passada. Para os estoques de destilados - que inclui diesel e óleo para aquecimento -, espera-se uma queda de 2,8 milhões de barris. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.