Petróleo volta a subir por causa do impasse no Irã

Os contratos futuros de petróleo são negociados em alta nesta manhã, na medida em que o Irã amplia a defesa de seu programa de enriquecimento de urânio enquanto se aproxima o prazo final dado pela Organização das Nações Unidas (ONU) para que o país interrompa esse processo. O principal negociador nuclear iraniano, Ali Larijani, disse hoje que o país pode interromper toda sua cooperação com a Agência Internacional de Energia Atômica, o órgão de supervisão nuclear da ONU, e alertou que Teerã pode passar a esconder seu programa nuclear, caso o Conselho de Segurança do organismo imponha sanções. O comentário ocorre a três dias do prazo-limite de sexta-feira imposto pelo Conselho de Segurança da ONU para o Irã interromper seu processo de enriquecimento de urânio. "Eles (os países ocidentais no conselho da AIEA) têm que entender que não podem resolver essa questão por meio da força", declarou Larijani. A atitude ameaçadora do Irã provocou uma saída leve de posições vendidas que ajudou o petróleo a subir nesta manhã. "O assunto não vai sumir rapidamente e qualquer escalada no tom (das animosidades) deve provocar preocupação, diante da proporção das exportações petrolíferas", afirmou um operador, em Londres. O ministro do petróleo do Irã, Kazem Vaziri, no entanto, tentou abrandar a especulação de que o país poderia fechar o acesso ao Estreito de Hormuz, no Golfo Pérsico, caso fossem impostas sanções internacionais. Cerca de dois quintos do suprimento mundial de petróleo passam pelo Estreito de Hormuz. "Novamente, digo que o Irã nunca durante qualquer guerra, mesmo durante a guerra do Iraque-Irã, cortou as exportações", disse Vaziri. Além da questão iraniana, o nervosismo em torno da divulgação dos relatórios de estoques de petróleo na semana passada pelo Departamento de Energia dos EUA também contribuía para estimular compras. De acordo com pesquisa realizada pela Dow Jones junto a analistas, a expectativa é de aumento de 137.500 barris nos estoques de petróleo bruto na semana encerrada em 21 de abril. O prognóstico para gasolina é de queda de 2,4 milhões de barris. Em um momento em que os norte-americanos começam a sair de férias para curtirem a temporada de verão, as apreensões em torno dos estoques de gasolina nos EUA têm sido um dos fatores impulsionadores da alta do petróleo. Às 9h41, o contrato do petróleo para junho subia 0,50%, para US$ 73,70 por barril, na Nymex eletrônica ( a principal bolsa de energia nos EUA). A alta ocorre após o contrato ter fechado em baixa de 2,45% ontem. Na ICE Futures Exchange, em Londres, o petróleo tipo Brent para junho era negociado em alta de 0,92%, a US$ 73,67 por barril. As informações são da Dow Jones.

Agencia Estado,

25 Abril 2006 | 09h45

Mais conteúdo sobre:
finanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.