Peugeot deve fechar 2006 no equilíbrio, com receita de R$ 600 mi

A Peugeot do Brasil espera fechar 2006 com uma receita de R$ 600 milhões, o que representa um crescimento de 15% em relação a 2005, segundo informou hoje o presidente da montadora, Bruno Grundeler. ?Com esse faturamento, vamos atingir o equilíbrio no País?, informou o executivo. Em volume, a expectativa da empresa é alcançar a venda de 65 mil unidades, com expansão de 20% sobre o ano anterior. Segundo ele, 2007 também deverá ser um ano de crescimento para a empresa. A montadora projeta aumento de 15% nas vendas em volume, ante uma expectativa de expansão de 7% do mercado como um todo. Conforme Grunduler, o bom desempenho deve-se ao grande número de lançamentos realizado pela companhia, que chegaram em um bom momento do mercado. O presidente da Peugeot lembra que a empresa investiu 5 milhões de euros nos últimos 18 meses para o lançamento da cross-station Escapade, cujo desenvolvimento foi realizado totalmente no Brasil. O veículo será apresentado ao público nesta semana, durante o Salão Internacional do Automóvel, em São Paulo. A projeção inicial da montadora é alcançar vendas de 800 unidades do modelo por mês. A meta da empresa neste ano é chegar a uma produção de 100 mil unidades na fábrica de Porto Real, no Rio de Janeiro, sendo 60% de veículos com a marca Peugeot e 40% de automóveis com a marca Citröen. O executivo destacou, no entanto, que a unidade tem capacidade para elevar esse volume para 150 mil unidades com a implantação de um novo turno. O aumento da capacidade, no entanto, só deverá ocorrer se houver potencial no mercado. Atualmente 20% da produção é exportada, principalmente para Argentina (mais de 50%), além de outros mercados como México e Chile e a previsão da montadora é de que esse percentual se mantenha em 2007, apesar do câmbio desfavorável. ?É mais difícil para vender, mas não deve atrapalhar a nossa meta?, afirma.

Agencia Estado,

16 de outubro de 2006 | 17h36

Tudo o que sabemos sobre:
empresas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.