PIB do Brasil deve crescer perto de 0,5% em 2009, diz Delfim

Ex-ministro da Fazenda prevê que o PIB até o 3º tri será ruim, A partir do 4º, resultado será melhor

Ricardo Leopoldo, da Agência Estado,

11 de maio de 2009 | 14h53

O ex-ministro da Fazenda Antonio Delfim Netto prevê que o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil crescerá 0,5% em 2009. Segundo ele, os dois primeiros trimestres deste ano devem apresentar resultados desfavoráveis em relação ao ano anterior e na margem, o que provocaria a necessidade de o País apresentar um incremento mais forte do nível de atividade no segundo semestre.

 

Veja também:

EUA terão década perdida de crescimento, diz Stiglitz

especialAs medidas do Brasil contra a crise

especialAs medidas do emprego

especialDe olho nos sintomas da crise econômica 

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise  

 

Em seminário realizado em São Paulo, com a presença de três vencedores do Premio Nobel de Economia (Robert Mundell, Edward Prescott e Joseph Stiglitz), Delfim afirmou que o PIB no primeiro trimestre deste ano deve cair 1% em relação aos mesmos três meses de 2008. Para o segundo trimestre de 2009, ele prevê uma queda de 2% ante igual intervalo do ano anterior.

 

Para o terceiro trimestre, ele projeta um recuo de 2,5% em comparação com o mesmo período do ano passado. Para os últimos três meses deste ano, contudo, Delfim já antevê uma melhora no nível de atividade, que deve levar o PIB a crescer 2% ante o último trimestre de 2008.

 

"Os números do PIB até o terceiro trimestre devem apresentar um desempenho ruim, que deve ocorrer basicamente devido a efeitos estatísticos. Porém, a partir do quarto trimestre, teremos um resultado bem melhor", afirmou.

 

Na avaliação de Delfim, a partir daí, o PIB deve apresentar uma expansão mais acelerada em relação a igual trimestre do ano anterior, a ponto de chegar a uma alta de 4% no terceiro trimestre de 2010 em comparação com o mesmo período de 2009.

Tudo o que sabemos sobre:
PIBCrescimento econômicoDelfim Netto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.