PIB do Reino Unido decepciona e Londres cai

Investidores se dividem entre a emissão da Linha de Estabilidade Financeira Europeia e a primeira retração trimestral do Produto Interno Bruto britânico entre os meses de outubro e dezembro

Danielle Chaves, da Agência Estado,

25 de janeiro de 2011 | 08h47

As bolsas europeias seguem sem uma direção única nesta terça-feira. Os investidores permanecem otimistas em relação à zona do euro, especialmente após a Linha de Estabilidade Financeira Europeia (EFSF) lançar sua primeira emissão de bônus hoje. Por outro lado, o Produto Interno Bruto (PIB) do Reino Unido no quarto trimestre do ano passado decepcionou e colocou os investidores em alerta.

Às 8h58 (horário de Brasília), a Bolsa de Londres caía 0,60% e a Bolsa de Madri registrava baixa de 1,29%. As Bolsas de Frankfurt (0,23%) e de Paris subiam (0,02%). 

Colaborou para o relativo otimismo nos mercados o preço da emissão de 5 bilhões de euros em bônus para 2016 da EFSF. A orientação final para o preço ficou em 6 pontos-base sobre as midswaps (referência para juros em euros), segundo uma fonte. O valor é o piso da faixa indicativa, que ia de 6 pontos-base a 8 pontos-base. Outro sinal positivo foi a demanda pelos bônus, que superou 40 bilhões de euros.

Balanços fortes da Siemens e da Ericsson também ajudaram. A Siemens registrou aumento de 16% no lucro líquido em seu primeiro trimestre fiscal, superando as expectativas dos economistas. Já a Ericsson informou que seu lucro líquido subiu no quarto trimestre de 2010, puxado pelas vendas de banda larga móvel, apesar de os ganhos terem ficado um pouco abaixo do esperado.

No entanto, as atenções estavam voltadas para os números do PIB do Reino Unido nos últimos três meses do ano passado. O resultado decepcionou. O PIB do Reino Unido caiu 0,5% no período, na comparação com o intervalo de três meses imediatamente anterior, segundo dados preliminares do Escritório Nacional de Estatísticas (ONS). Foi a primeira retração trimestral do PIB desde o terceiro trimestre de 2009. Em relação a igual período de 2009, o PIB britânico cresceu 1,7%. Economistas esperavam altas de 0,4% em base trimestral e de 2,6% na comparação anual.

Outro fator que pesa sobre os mercados europeus é o amplo plano do governo da Espanha para acelerar a reestruturação dos bancos de poupança do país. Ontem, a ministra das Finanças da Espanha, Elena Salgado, anunciou que o governo está reformando a regulamentação do setor bancário para permitir a estatização parcial das chamadas "cajas" e injetar capital novo. Segundo ela, a estimativa preliminar das necessidades de capital dos bancos espanhóis, feita pelo banco central, é inferior a 20 bilhões de euros. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.