PIB menor não deve frear alta de NY na abertura

As bolsas dos Estados Unidos devem abrir o pregão desta quinta-feira, 29, em alta, sinalizam os índices futuros. Depois da realização de lucros de quarta-feira, 28, as bolsas ensaiam uma recuperação mesmo após a decepção com a segunda prévia do Produto Interno Bruto (PIB) do primeiro trimestre, com queda maior que o previsto. Já os pedidos de auxílio-desemprego vieram melhores que o esperado. Às 10h20 (de Brasília), no mercado futuro, o Dow Jones subia 0,15%, o Nasdaq ganhava 0,22% e o S&P 500 avançava 0,16%.

ALTAMIRO SILVA JÚNIOR, CORRESPONDENTE, Agencia Estado

29 de maio de 2014 | 10h37

A quinta-feira tem agenda agitada e já começou com a divulgação da segunda prévia do PIB. O indicador mostrou que a economia norte-americana encolheu 1,0% nos três primeiros meses de 2014, a primeira contração desde o início de 2011. A expectativa de Wall Street era de queda de 0,6%. Na primeira estimativa, divulgada no mês passado, a economia havia crescido 0,1%. Após a divulgação do indicador, os índices futuros reduziram o ritmo de alta e o Nasdaq até virou, mas voltou a subir em seguida. A expectativa dos economistas é que o PIB se recupere no segundo trimestre, com o fim do inverno rigoroso.

Já os pedidos de auxílio-desemprego vieram melhores que o previsto e recuaram para 300 mil na semana encerrada no último dia 24. Os economistas previam o indicador em 319 mil.

Ainda entre os dados, após a abertura do mercado saem as vendas de imóveis residenciais referentes a abril. O economista do Deutsche Bank, Carl Riccadonna, projeta expansão de 1,5% na comparação com março. A expectativa é que o dado de hoje, escreve o economista em um e-mail a investidores, seja mais um a confirmar a melhora do setor imobiliário após os fracos números desde meados do ano passado. Ele aponta que outros indicadores já sinalizam recuperação e cita a construção de novas residências, que cresceu 13,2% no mês passado e, mais importante, a permissão para novas obras, que sinaliza o movimento futuro das construções, aumentou 8%. Já as vendas de moradias existentes cresceram depois de oito meses de queda.

Além dos indicadores, um seminário do Fed de Cleveland que discute inflação e política monetária deve atrair atenção dos investidores. A atual presidente da distrital, Sandra Pianalto, fez a abertura do evento nesta manhã, e está se aposentando. Sua vaga será ocupada por Loretta Mester, que também participa do evento, que termina amanhã. Ela não deve dar declarações hoje e tem uma apresentação marcada para esta sexta-feira, em um almoço às 13h30 (de Brasília) junto com Pianalto.

Pianalto tem direito a voto nas reuniões do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc) este ano. Loretta assume a distrital dia 1º de junho e já participa da reunião de política monetária que começa dias 17 e 18. Ainda entre os dirigentes do Fed, a responsável pela sucursal de Kansas City, Esther George, conhecida por ser voto dissidente nas reuniões do ano passado do Fomc, mas que não tem direito a voto este ano, fala em um evento às 22h30 (de Brasília).

No noticiário corporativo, o mercado de fusões e aquisições segue aquecido. A Tyson Foods fez um proposta de aquisição da Hillshire Brands de US$ 6,1 bilhões (US$ 50 por ação), segundo o The Wall Street Journal. A oferta é superior à feita na terça-feira, 27, pela Pilgrim''s Pride, controlada pela brasileira JBS, que propôs pagar US$ 5,5 bilhões (US$ 45 por ação). As ações da Hillshire subiam quase 15% no pré-mercado, enquanto os papéis da Tyson avançavam 3,92%. Já a Pilgrim recuava 2,76%.

Ainda nas fusões, a Apple confirmou ontem após o fechamento do mercado a compra da Beats Electronics por US$ 3 bilhões, a sua maior aquisição até hoje. A empresa produz fones de ouvido diferenciados e no início deste ano lançou um serviço de música por assinatura. No pré-mercado, a ação da Apple ganhava 0,48%.

Um dos destaques de alta no pré-mercado nesta manhã era o papel da rede de vestuário Abercrombie & Fitch, que subia 4,64% após a empresa divulgar prejuízo no trimestre menor que o esperado. A perda foi de US$ 23,7 milhões.

Tudo o que sabemos sobre:
bolsas de valoresNYEUAPIB

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.