Plano da Varig vai de novo para votação

O plano de recuperação judicial da Varig, já aprovado pelos credores da companhia, está sendo modificado e terá de passar por nova votação em assembléia. As modificações são necessárias para que o plano da VarigLog de comprar a ex-controladora, por cerca de US$ 500 milhões, possa ampliar prazos de pagamentos de dívidas já pactuados e negociar descontos (deságios) que não estavam previstos no projeto original de reestruturação.O Ministério Público do Rio e o administrador judicial da Varig, a consultoria Deloitte, estão avaliando a oferta da ex-subsidiária de logística e transporte de cargas e deverão dar seus pareceres hoje. Após receber esses relatórios, o juiz Luiz Roberto Ayoub, responsável pela recuperação judicial da Varig, deve divulgar sua decisão sobre o futuro da empresa. A expectativa é que Ayoub marque novas datas para a assembléia de credores e um novo leilão, marcados para a próxima segunda e quarta-feira, respectivamente, mas que foram cancelados porque a VarigLog apresentou uma proposta "melhorada", com detalhamentos financeiros aguardados pelas partes envolvidas na reestruturação da companhia.Mesmo com os esclarecimentos, há insatisfação. "Normalmente há deságio quando se deixa algo na empresa (que herda dívidas), mas o fluxo (da Varig antiga) é muito pequeno para suportar sua dívida", diz um credor. A Varig antiga, conforme proposta da VarigLog, será desmembrada da atividade principal para herdar um passivo de R$ 7,9 bilhões. Ela terá 5% das ações da nova Varig e fará fretamento de aviões, além de abrigar um centro de treinamento de pilotos e ativos imobiliários.Segundo fontes que acompanham as negociações, a VarigLog quer ampliar principalmente prazos de pagamentos de débitos com o Aerus (R$ 2,3 bilhões) e com os trabalhadores (R$ 168 milhões). No primeiro caso, a dívida foi repactuada em 32 anos, mas esse prazo poderia aumentar. Para os empregados, o plano de recuperação original prevê pagamento em, no máximo, 12 meses. "O plano não é satisfatório", resume o presidente da Federação Nacional dos Trabalhadores em Aviação Civil, Celso Klafke.Advogados da empresa entregaram ontem ao juiz Ayoub uma correção aos detalhamentos financeiros que foram enviados à Justiça. A mudança diz respeito ao programa de milhagem Smiles, que ficará com a nova Varig, inclusive as milhas que não foram transformadas em passagens e que serão honradas, garante a ex-subsidiária.A Procuradoria da Fazenda Nacional ainda não tem uma posição sobre se a VarigLog terá ou não de assumir as dívidas da Varig com a União, caso venha a comprar a companhia, disse o procurador José Pedro de Alencar Horta. "Depende da proposta da VarigLog." (Colaborou Adriana Chiarini)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.