Plano da Vasp prevê retomada de vôos em 10 meses

Trabalhadores da Vasp comemoram hoje, em São Paulo, a aprovação do plano de recuperação judicial da empresa, na quarta assembléia de credores. "Chegamos a um final feliz" , disse o presidente da comissão de interventores judiciais, Raul Medeiros. "Agora começa uma nova fase". Segundo ele, a intenção é voltar a voar com transporte regular de carga e passageiros dentro de 10 meses. O objetivo é alcançar uma frota de 10 a 12 aviões até o final do primeiro ano de operação. A empresa pretende vender as aeronaves próprias para sucata, pois a maior parte não tem mais condições de uso. As que puderem voar serão vendidas. Segundo Medeiros, os interventores negociarão novos leasing de aviões e continuarão a conversar com interessados em investir na empresa. "Temos investidores interessados e as conversas ficarão mais sérias a partir da aprovação do plano", informou o membro do grupo de intervenção Roberto de Castro.Nos próximos dias, o documento com o resultado da assembléia de hoje será enviado ao juiz Alexandre Lazzarini, da 1ª Vara de Recuperação e Falências de São Paulo, que deve homologar a decisão da assembléia. Participaram do projeto de recuperação Tendências Consultoria, escritório Wald Advogados e escritório de auditoria Jharbas Barsanti. O advogado Ivo Waisberg, da Wald, explica que os credores podem entrar com ação judicial contra a decisão da assembléia, mas não acredita que isso irá acontecer.A companhia aérea parou de operar em janeiro de 2005, está sob intervenção judicial desde março de 2005 e ingressou na Nova Lei de Falências em outubro daquele ano, quando teve aceito pela Justiça seu pedido de recuperação judicial. Quando parou de realizar vôos, a Vasp tinha aproximadamente 2 mil funcionários. Cerca de 300 deles continuam a trabalhar com os interventores judiciais na sede da companhia aérea, próxima ao Aeroporto de Congonhas, na capital paulista.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.