Preço do petróleo recua para o menor nível no mês

Os contratos futuros de petróleo recuaram para o menor nível em julho na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex), caindo abaixo de US$ 73,00 o barril, pressionados pelo arrefecimento das preocupações de uma escalada do conflito no Oriente Médio e inesperado aumento dos estoques comerciais norte-americanos de gasolina, segundo operadores e analistas. Os futuros de petróleo acumulam uma queda de 7,3% desde a máxima recorde de US$ 78,40 o barril registrada na sexta-feira, quando os preços foram inflados pelas preocupações de que os combates entre Israel e o Hezbollah se espalhasse para o restante da região, incluindo os países produtores de petróleo. "Não parece que veremos o Irã ou a Síria entrando no conflito no curto prazo", disse o analista Mike Fitzpatrick, da Fimat, observando que isso estava forçando alguns participantes com posições compradas em petróleo a vender. Contudo, ele disse que espera que os preços dos futuros de petróleo se recuperem. "Eu penso que é uma oportunidade de compra, a situação no Oriente Médio na verdade não mudou", disse Fitzpatrick, observando que a demanda global tem sido apoiada pelo forte dado de crescimento econômico da China no segundo trimestre, divulgado esta semana. A liquidação do mercado também foi alimentada pelos dados do Departamento de Energia que apontaram um inesperado crescimento dos estoques de gasolina, que voltaram para os mesmos níveis do ano passado pela primeira vez desde março. A mediana das expectativas dos analistas era de uma queda de 1,1 milhão de barris nos estoques de gasolina, mas houve um aumento de 1,5 milhão de barris na semana passada. Na Nymex, os contratos de petróleo para agosto fecharam a US$ 72,66 o barril, queda de US$ 0,88 (1,20%). A mínima foi de US$ 71,65 e a máxima de US$ 73,60. Em Londres, no sistema eletrônico da ICE Futures, os contratos de petróleo tipo Brent para setembro terminaram a US$ 73,90 o barril, queda de US$ 0,46. A mínima foi de US$ 72,59 e a máxima de US$ 75,13. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.