Preocupação com juro global derruba bolsas na Ásia

O aumento da preocupação sobre uma onda global de alta das taxas de juros serviu de gatilho para um amplo movimento de vendas na Bolsa de Tóquio, fazendo o índice Nikkei fechar no menor nível em sete meses após um desmonte agressivo de posições. O Nikkei-225 atravessou o importante nível psicológico dos 15 mil pontos pela primeira vez desde novembro de 2005, em meio a um giro vigoroso de negócios, com o vencimento dos contratos futuros de junho, amanhã, ajudando a acrescentar pressões ao movimento de desmonte. O Nikkei-225 caiu 462,98 pontos (-3,07%), para fechar em 14.633,03 pontos, o menor nível de fechamento desde 18 de novembro de 2005. O recuo de hoje ocorreu após três dias de fechamentos negativos, nos quais o índice cedeu 7,3%. O volume de negócios na primeira sessão de Tóquio foi de 2,652 bilhões de ações, de 1,960 bilhão no dia anterior. As ações relacionadas a commodities foram, particularmente, afetadas por vendas, apagando o ganho vertiginoso recente A Inpex Holding, refinaria de petróleo, caiu 2,1%, para 888.000 ienes, após ter atingido a sua mínima histórica no dia de 861.000 ienes. A siderúrgica JFE Holdings cedeu 6% e a Sumitomo Metal Mining, 5,8%. As avaliações com a direção das taxas de juro no mundo e as pesadas vendas que vêm ocorrendo nas bolsas norte-americanas, européias e especialmente na região da Ásia levaram as bolsas asiáticas a amargar mais um dia de intenso fluxo de venda. Coréia A Bolsa da Coréia do Sul despencou mais de 3% com o inesperado anúncio do banco central do país de elevação no juro, em 0,25 ponto porcentual. Economistas esperavam que a taxa fosse mantida. O BC sul-coreano vinha puxando o juro desde outubro do ano passado e em fevereiro a taxa chegou a 4%, quando o movimento de aperto foi interrompido. A pressão das perdas de ontem em Nova York sobre os demais mercados asiáticos também desestabilizou a bolsa. No fim do dia, o índice Kospi registrava perdas de 3,5% e o menor número de pontos desde 7 de novembro. Na Bolsa de Hong Kong, o índice Kospi terminou a sessão em baixa de 2,32%, marcando o terceiro dia de queda, com as ações de empresas do setor imobiliário e da China Mobile liderando o movimento. A Bolsa da Índia, onde os estrangeiros foram fortes investidores no ano passado, despencou 4,72%. A Bolsa de Jacarta, Indonésia, fechou em queda de 3,56%, com o índice JSX no menor nível desde 9 de março. A queda da rupia contra o dólar continua preocupando os investidores. A Bolsa de Kuala Lumpur (Malásia) recuou 0,68%. A Bolsa de Manila, nas Filipinas, perdeu 2,74% e o índice composto fechou no menor nível desde 17 de março. A Bolsa de Taiwan despencou 4,25%, com preocupações política acentuando o movimento. No fechamento, o índice composto estava no menor patamar desde 15 de dezembro. A Bolsa de Cingapura cedeu 2,48%. A Bolsa de Bangcoc, na Tailândia, fechou com o índice de referência em queda de 1,8%, menor nível desde 2 de dezembro do ano passado. Na China, o índice Shanghai fechou em alta de 0,12% e o Shenzhen recuou 0,03%. O yuan, a moeda chinesa, fechou em leve alta, com o dólar cotado a 8,0160 yuans, de 8,0165 yuans ontem. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.