Preocupações com Irã levam petróleo a novo recorde

Os contratos futuros de petróleo fecharam acima de US$ 71,00 o barril pela primeira vez na New York Mercantile Exchange (Nymex), coroando a mais recente série de níveis recordes, desencadeada pelo crescente nervosismo com relação ao programa nuclear do Irã e à queda dos estoques de gasolina antes do início da temporada de verão, segundo operadores e analistas. Observadores do mercado estavam divididos sobre exatamente o que tem alimentado a recente alta nos preços do petróleo. Embora alguns tenham citado a ansiedade relacionada a uma possível interrupção da oferta do Irã como força orientadora dos preços, outros apontaram para a alta nos preços da gasolina. "Eu penso que há muita ênfase colocada sobre o Irã, Nigéria e demanda da China e não o suficiente sobre a gasolina", disse o presidente da Ritterbusch & Co, Jim Ritterbusch. Os contratos de petróleo para maio chegaram a registrar a máxima ao longo do dia de US$ 71,60 o barril, antes de fecharem em US$ 71,35 o barril, nível mais elevado para o contrato do primeiro mês de vencimento desde que os futuros de gasolina começaram a ser negociados na Nymex em 1983. Os contratos de petróleo dos meses seguintes a maio subiram ainda mais, refletindo as preocupações sobre uma possível interrupção na oferta mais tarde no ano. Os futuros de gasolina lideraram o explosivo movimento de alta do complexo de energia. Os contratos de gasolina para maio subiram 542 pontos (2,50%), para US$ 2,2239 o galão, o nível mais elevado para o contrato de primeiro mês de vencimento desde as conseqüências da passagem do furacão Katrina no Golfo do México no ano passado. A recente alta dos preços do petróleo tem sido orientada por pelo menos três fatores de fundamento: problemas reais na produção em grandes países produtores como Nigéria e Noruega; crescente ansiedade com relação ao programa nuclear do Irã e preocupação relacionada com a queda dos estoques de gasolina antes do início da alta temporada de consumo do combustível - os meses de verão no hemisfério norte. Desses fatores, somente a disputa nuclear do Irã, na avaliação de alguns analistas, levou a uma alta de até US$ 10,00 por barril nos preços do petróleo desde o início do ano. Na Nymex, os contratos de petróleo para maio fecharam em US$ 71,35 o barril, alta de US$ 0,95 (1,35%); a mínima foi de US$ 70,15 e a máxima de US$ 71,60. Em Londres, no sistema eletrônico da ICE Futures, os contratos de petróleo Brent para junho fecharam em US$ 72,51 o barril, alta de US$ 1,05. A mínima foi de US$ 71,22 e a máxima de US$ 72,64. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.