Principais bolsas europeias fecham quase estáveis

Índice Stoxx Europe 600 fechou em baixa de 0,14 ponto, ou 0,05%, aos 291,02 pontos

Danielle Chaves, da Agência Estado ,

18 de fevereiro de 2011 | 16h16

As bolsas europeias fecharam sem direção única hoje, com as mineradoras sob pressão após uma nova elevação na taxa do compulsório bancário na China e com os bancos prejudicados pela realização de lucros após os ganhos recentes. Um aumento pelo segundo dia seguido no uso da linha de empréstimos emergenciais do Banco Central Europeu (BCE) também despertou cautela entre os investidores.

O índice Stoxx Europe 600 fechou em baixa de 0,14 ponto, ou 0,05%, aos 291,02 pontos, depois de ter encerrado ontem no maior nível desde agosto de 2008. Londres caiu 0,07%, para 6.082,99 pontos; Paris subiu 0,12%, para 4.157,14 pontos; Frankfurt avançou 0,29%, para 7.426,81 pontos; Lisboa perdeu 1,18%, para 8.030,33 pontos; e Madri recuou 0,40%, para 11.068,10 pontos.

Os bancos tomaram emprestados ontem 16,009 bilhões de euros do BCE, superando os 15,8 bilhões de euros em empréstimos registrados na quarta-feira. O fato levantou receios de que um banco ou um grupo de bancos da zona do euro possa estar enfrentando sérios problemas de financiamento. O BNP Paribas fechou em queda de 0,9% em Paris e Barclays, que havia subido mais de 7% nas quatro primeiras sessões desta semana, recuou 1,2% em Londres.

Mas foram as mineradoras que apresentaram as maiores perdas do dia. Em Londres, BHP caiu 2,2% e Rio Tinto cedeu 2,3%. Joshua Raymond, estrategista do City Index, afirmou que a queda dos papéis do setor se acelerou depois que o Banco do Povo da China (PBOC, banco central do país) anunciou o aumento na taxa do compulsório dos bancos do país. Um movimento de aperto monetário na China provoca reação negativa sobre as ações dessas empresas porque indica redução na demanda chinesa no futuro.

Na Bolsa de Frankfurt, as montadoras Daimler e BMW, que têm vendas significativas na China e por isso são sensíveis às expectativas de crescimento da economia chinesa, caíram 0,6% e 0,8%, respectivamente.

Anglo American perdeu 2,1% em Londres, após anunciar que formou uma joint venture com a cimenteira francesa Lafarge, que incluirá a divisão europeia Tarmac. Analistas esperavam que a mineradora vendesse o negócio como parte de seu programa de desinvestimento, que está perto de ser concluído. A companhia também informou que seu lucro subiu para US$ 6,54 bilhões em 2010, de US$ 2,43 bilhões no ano anterior, e a receita avançou 34%, para US$ 32,93 bilhões.

Em Paris, a Lafarge saltou 4,1%. Além da joint venture com a Anglo American, a empresa informou que teve lucro de 62 milhões de euros no quarto trimestre do ano passado, em comparação com o prejuízo de 38 milhões de euros no mesmo período do ano anterior.

Algumas companhias do setor de energia foram afetadas pelas tensões no Oriente Médio e norte da África. As ações do grupo de engenharia Technip, que alertou sobre projetos na região, caíram 2,9% em Paris. Petrofac recuou 4,6% em Londres. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
açõesbolsasEuropacompulsórioChina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.