Produção de caminhões deve cair 19,8% no ano

A produção de caminhões no Brasil deve totalizar 98,3 mil unidades em 2006, segundo a média de projeção das seis principais montadoras instaladas no País, o que representa uma redução de 19,8% em relação ao registrado em 2005. Os números levam em conta as previsões da Scania, Ford, Daimler-Chrysler, Iveco, Volkswagen e Volvo. Para 2007, a previsão é de manutenção do volume, em 98,9 mil unidades. A média das projeções das montadoras indica ainda vendas internas totais de 70 mil unidades em 2006, volume 12,8% menor que o registrado no ano passado, quando 80,3 mil unidades foram para o mercado doméstico. Para 2007, a previsão é de uma pequena melhora, para 71,5 mil caminhões. Para as exportações, a média das projeções das seis companhias indica um total de 29 mil unidades, com recuo de 32% sobre o ano anterior. Para o ano que vem, a tendência é de manutenção do ritmo de queda, com um volume de 27,4 mil unidades. Os números foram divulgados hoje pelos executivos das empresas durante seminário sobre perspectivas realizado pela Autodata.Segundo as empresas, a falta de linhas de financiamento adequadas, principalmente para o caminhoneiro autônomo, é um dos fatores que prejudica o desempenho do setor. De acordo com o diretor de operações de caminhões da Ford para a América do Sul, Flavio Padovan, apesar dos avanços do Pró-caminhoneiro, do BNDES, a linha ainda não é suficiente para alavancar as vendas, com destaque para os motoristas autônomos.O executivo acredita que a isenção de impostos para a venda de caminhões, a exemplo do que ocorre para os táxis, seria uma boa solução para incrementar as vendas do setor. "A renovação da frota contribuiria ainda para a redução da poluição e do índice de acidentes nas estradas", avalia. O executivo nega, no entanto, que uma proposta nessa linha esteja sendo negociada com o governo.O diretor-geral da Scania para a América Latina, Christopher Podgorski, explica que o Pró-caminhoneiro beneficia basicamente o grande frotista e não os profissionais autônomos, categoria que responde por 40% a 45% da frota circulante no País. O presidente da Iveco para a América Latina, Jorge Garcia, lembra que a idade média da frota brasileira é de 15 anos, ante uma média de 8 a 9 anos da frota na Europa. De acordo com o CEO da Volkswagen Caminhões e Ônibus, Roberto Cortes, com o objetivo de alavancar as vendas para profissionais autônomos, a empresa acaba de fechar uma aliança com o Banco do Brasil para a linha Pró-caminhoneiro aos seus clientes. A grande diferença é que o banco aceitará o caminhão como seguro do crédito. Segundo o executivo, a expectativa é de registrar um incremento de no mínimo 10% das vendas por conta da parceria.

Agencia Estado,

24 de outubro de 2006 | 17h53

Tudo o que sabemos sobre:
empresas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.