Produção na Líbia e na Nigéria pesam e petróleo sobe

Os contratos futuros de petróleo operam em alta na manhã desta quinta-feira, 27, em meio a dificuldades de produção na Líbia e na Nigéria, contudo os avanços estão limitados.

Agencia Estado

27 de março de 2014 | 08h09

A produção na Líbia caiu para cerca de 150 mil barris de óleo por dia, ao menor nível desde o final de 2013. E na Nigéria, a Royal Dutch Shell declarou força maior sobre as exportações do terminal de Forcados, o que significa que não conseguirá cumprir as suas obrigações de fornecimento contratuais devido a circunstâncias além de seu controle.

Apesar do suporte aos contratos de petróleo, os ganhos ainda são tímidos. "Mesmo a ameaça de mais sanções contra a Rússia tem sido incapaz de tirar o brent de seu estado letárgico", afirmaram analistas do Commerzbank em uma nota a clientes.

Na quarta-feira, 26, os estoques de petróleo bruto nos EUA subiram 6,619 milhões de barris na semana encerrada em 21 de março, para 382,471 milhões de barris, segundo o Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês) norte-americano. O resultado veio bem acima da previsão dos analistas consultados pela Dow Jones Newswires, que era de alta de 2,8 milhões de barris.

Mas o mercado parece ter encontrado outra boa notícia no relatório, incluindo uma queda de 1,3 milhão de barris em ofertas no ponto de entrega norte-americano de Cushing, no Estado de Oklahoma, e uma surpreendentemente redução de 5,1 milhões de barris em estoques de gasolina.

Às 7h55 (de Brasília), o brent para maio subia 0,11%, a US$ 107,14 por barril, na plataforma eletrônica ICE, em Londres, enquanto na Nymex, o petróleo equivalente avançava 0,08%, a US$ 100,35 por barril. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
petróleoLíbiaNigéria

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.