Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Projeções de contrados de DI futuro abrem em alta na BM&F

O noticiário político promete, mais uma vez, potencializar o movimento técnico que vem marcando o mercado de juros nos últimos dias. A preocupação com a disputa entre governo e oposição no episódio do dossiê contra os tucanos e o seu reflexo sobre a governabilidade em um eventual segundo Governo Lula, estimula investidores a zerarem posição no mercado de juros. A redução de posições vendidas em juros já vinha ocorrendo antes, devido a uma decisão puramente técnica de investidores de diminuir exposição a esse risco, depois de tantas quedas consecutivas das taxas dos contratos futuros dos Depósitos Interfinanceiros (BM&F). Esse movimento foi intensificado ontem. E, segundo operadores, é nítido que há muitos estrangeiros saindo desse mercado, especialmente nos contratos mais longos. "Não há fuga do Brasil, apenas uma redução na exposição até que se tenha uma definição melhor do quadro político", acrescentou um analista. Não bastasse o quadro político, hoje é dia de leilão tradicional de títulos públicos. E a oferta de 5,750 milhões de papéis prefixados (LTN e NTN-F) também favorece a alta dos juros. Operadores não acreditam que a piora do ambiente político seja capaz de atrapalhar a oferta dos títulos. "Talvez as taxas subam, mas não houve qualquer mudança no cenário que afete o apetite pelos papéis", afirmou um operador. "O mercado está mais cauteloso com o quadro político, mas não há nada que gere reversão da tendência de queda dos juros, sobretudo no curto prazo", afirma um operador. O IBGE divulgou nesta manhã que o índice de desemprego do mês de agosto, de 10,6% e em linha com a mediana das projeções. Em julho, o indicador ficou em 10,7% e em agosto de 2005, de 9,4%.O rendimento médio da população ocupada atingiu R$ 1.036,20, com aumento de 0,7% ante julho e de 3,5% em comparação a agosto do ano passado. No GTS, o DI com vencimento em janeiro/08 tinha taxa de 13,74%, ante 13,71% ontem. Vale ressaltar que o volume de negócios nesse contrato já é alto para o horário: até agora, o giro nesse vencimento já soma pouco mais de 72 mil contratos. Nos primeiros negócios do pregão viva-voz da Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), o contrato de Depósito Interfinanceiro com vencimento em janeiro de 2008, o mais negociado com 79,4 mil contratos, exibia taxa ano de 13,75%, com alta de 0,04 ponto porcentual em relação ao fechamento de ontem. A alta mais intensa era verificada no contrato com vencimento em outubro de 2007. Com ganho de 0,08 ponto porcentual, a taxa ano também era de 13,75%.

Agencia Estado,

21 de setembro de 2006 | 10h12

Tudo o que sabemos sobre:
finanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.