QGEP Participações pretende captar até R$ 2,7 bi em IPO

Período de reserva vai de 26 de janeiro a 4 de fevereiro, conforme cronograma estimado

Fátima Laranjeira, da Agência Estado,

19 de janeiro de 2011 | 10h16

A QGEP Participações, braço da Queiroz Galvão para a área de exploração e produção de petróleo, fará uma oferta inicial primária de ações (IPO, na sigla em inglês) de 69.340.01 ações ordinárias e secundária de 13.868.003 de titularidade do acionista vendedor, constante de um lote adicional de 20%. O montante inicial de ações pode ser acrescido ainda de até 15% em lote suplementar, de até 10.401.002 papéis.

O preço será fixado no dia 7 de fevereiro, quando se encerra o período de coleta de intenções de investimento (bookbuilding), que se inicia hoje. A faixa indicativa apresentada pela empresa no aviso ao mercado da oferta publicado hoje é de R$ 23,00 a R$ 29,00, podendo ficar acima ou abaixo após o fechamento do book. No teto dessa faixa e com o exercício dos lotes extras a oferta pode alcançar, no máximo, R$ 2,714 bilhões. Sem contar os lotes extras e no piso da faixa indicativa, pode atingir R$ 1,593 bilhão.

O período de reserva vai de 26 de janeiro a 4 de fevereiro, conforme cronograma estimado. A oferta de varejo será de no mínimo 10% e máximo de 15% das ações, para investimentos de R$ 3 mil a R$ 300 mil. O Itaú BBA é o coordenador líder da oferta, ao lado de BofA Merrill Lynch e BTG Pactual.

A empresa espera obter registro da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) em 8 de fevereiro e dar início à negociação das ações objeto da oferta no Novo Mercado da BM&FBovespa em 9 de fevereiro, com o código QGEP3. A liquidação da oferta deve ocorrer no dia 11 do mesmo mês.

Segundo informou anteriormente, a companhia pretende usar até 80% dos recursos que captar do IPO na aquisição de novos blocos e ativos. A empresa diz que analisa preferencialmente as Bacias do Espírito Santo, Campos e Santos e tem interesse em participar das oportunidades atuais e futuras no pré-sal. Avalia também a compra dos direitos de concessão detidos por outras empresas (farm in) e da participação seletiva em novas rodadas de licitação promovidas pela Agência Nacional do Petróleo (ANP). Os demais recursos do IPO devem ser investidos no portfólio existente da companhia.

A QEGP possui concessão de oito blocos exploratórios na costa brasileira, incluindo os reservatórios no pré-sal, nas Bacias de Santos e Jequitinhonha. "Três de nossos oito blocos (BM-J-2 na Bacia de Jequitinhonha e BM-S-12 e BM-S-76 na Bacia de Santos) encontram-se em estágio avançado para perfuração (ready to drill)", informa a empresa, na minuta do prospecto do IPO, protocolado na Comissão de Valores Mobiliários (CVM). 

Tudo o que sabemos sobre:
QGEPQueiroz GalvãoIPOofertas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.