Queda da taxa real de juros tem impacto potencial sobre o Fed, diz membro

A redução da taxa real de juros nos Estados Unidos tem implicações potenciais sobre as decisões de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA), afirmou neste sábado o presidente do Fed de São Francisco, John Williams. Durante um painel na reunião anual da Associação Econômica Americana em Boston, ele, no entanto, evitou fazer comentários específicos sobre o atual cenário da economia norte-americana e perspectivas sobre a política monetária do país.

Estadão Conteúdo

03 de janeiro de 2015 | 14h33

A taxa real de juros, que mede o quanto a taxa nominal de juros excede a inflação, vem diminuindo nos EUA nas últimas décadas, tendo acelerado sua queda durante o período de recessão econômica, entre 2007 e 2009, passando de cerca de 2% para praticamente zero, disse Willians.

Grande parte dessa queda recente, segundo ele, pode ser explicada pelo menor crescimento potencial e pelo déficit em gastos com construção. O Fed manteve a sua taxa de referência de curto prazo para os juros, a taxa dos fundos federais, próxima de zero desde dezembro de 2008, numa tentativa de estimular o crescimento econômico.

Uma taxa de juros de equilíbrio mais baixa, segundo Williams, teria implicações para qualquer tentativa de calcular uma política juros que impacte a inflação para orientar as decisões do Fed. Mas, ainda de acordo com ele, não está claro se a taxa atual vai persistir no futuro.

"Essa é uma descrição dos dados", disse ele. "Não é de forma alguma uma descrição do nosso destino", completou.

Segundo Williams, a trajetória futura da taxa de juros dos Estados Unidos será determinada por escolhas políticas gerais relativas ao mercado de trabalho, produtividade e outros aspectos da economia. No entanto, se nada mudar, "estaremos em um caminho muito insatisfatório a longo prazo", afirmou. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
Estados UnidosFedjuros

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.