Queda do petróleo faz índice Dow Jones buscar recorde

O aprofundamento da queda do petróleo estimulou os investidores a buscar o patamar histórico do índice Dow Jones, da Bolsa de Nova York, de pontos atingidos durante um pregão (e não no fechamento). O recorde anterior, de 11.750,28 pontos, atingido em 14 de janeiro de 2000, foi superado hoje: na máxima, o índice foi a 11.755,40 pontos. Às 14h07 (de Brasília), contudo, o Dow Jones estava em 11.747,30 pontos, em alta de 0,66%. A movimentação positiva das ações em Wall Street mostra mudança na leitura que o mercado vinha fazendo da queda acentuada do petróleo e das demais commodities. Mais cedo, os investidores venderam ações argumentando que a depreciação dos preços das commodities sinalizava desaquecimento econômico. Embora o Dow Jones e os demais índices subam em Nova York, as ações de companhias petrolíferas são duramente castigadas. As ações da Exxon Mobil, que está na cesta Dow Jones, caía 1,42% no mesmo horário acima. A Merrill Lynch rebaixou sua recomendação para o setor de energia para "underweight" (abaixo do mercado), citando preocupações com o lucro das companhias do setor e com o recente enfraquecimento dos preços das commodities. O índice de Petróleo & Gás da Dow Jones caiu mais de 2% e o índice Dow Jones de Equipamentos de Petróleo e Serviços cedeu mais de 3%. Os investidores esperam que o Dow Jones, depois de várias tentativas de estabelecer-se acima do recorde de fechamento, também de 14 de janeiro, consiga superar a marca hoje - a máxima histórica de fechamento é de 11.722,98 pontos. Caso contrário, investidores técnicos podem ficar incomodados, dizem observadores. E como o noticiário é fraco hoje, muito provavelmente o mercado irá pautar-se pelos gráficos o restante do dia. Na verdade, a maior parte dos investidores está mais interessada no comportamento do índice S&P-500, mais amplo, e no qual se baseiam investimentos de cerca de US$ 1,3 trilhão de fundos de investimento. O índice Dow Jones, entretanto, tem importantes ramificações psicológicas. A incapacidade de romper o recorde histórico pode sugerir resistência e inibir o desejo dos investidores de continuar comprando papéis. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.