Randon quer começar produção de veículos na África do Sul em 2007

Após constituir em 2006 sua subsidiária na África do Sul, a Randon quer começar este ano a montagem local de veículos com seu parceiro no país, informou o vice-presidente do conselho de administração da holding do grupo, David Abramo Randon. O projeto está em fase inicial e precisa passar pela fase de treinamento de equipes. O volume de produção ainda não foi especificado, mas o mercado local é maduro, tem vários concorrentes em atuação e potencial para absorver 6 mil semi-reboques por ano, descreveu o executivo, que participou hoje de apresentação dos resultados anuais do grupo.Ainda na área externa, a Randon espera fechar em 2007 ou 2008 um contrato para produção nos Emirados Árabes, informou o vice-presidente. O grupo brasileiro envia atualmente veículos desmontados para Quênia, Marrocos e Argélia, onde os parceiros locais ficam encarregados da finalização, venda e entrega.A China é vista com muito interesse pelo grupo, que ainda não tem definições para o país asiático, ressaltou o diretor corporativo e de relações com investidores, Astor Milton Schmitt. ?Se quisermos ser parte do mercado asiático, teremos que estar instalados lá?, avaliou. A Randon possui parceria com a chinesa CIMC, para quem vende eixos e freios da Suspensys e Master, empresas do grupo.Atualmente, a Randon não vende semi-reboques para a China, um mercado que produz 100 mil unidades por ano. Schmitt avaliou que todas as empresas com pretensões de ter expressão internacional terão de eventualmente operar no país asiático, mas disse que a Randon ?não tem nada consolidado?. Conforme David Randon, o grupo quer ser pioneiro como produtor global de implementos, já que as demais empresas do ramo tem predomínio regional.O crescimento das exportações, que devem chegar a US$ 300 milhões em 2009, ante os US$ 230 projetados para 2007, deve ajudar a impulsionar a receita do grupo. A Randon prevê alcançar uma receita bruta total (soma das receitas das empresas do grupo) de R$ 4,5 bilhões em 2009/2010. Esta receita somou R$ 2,890 bilhões em 2006.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.