Ranking: AmBev é 3ª, favorecida por incorporação da Labatt

A AmBev, quinta maior fabricante de bebidas do mundo, ocupou o terceiro lugar no Ranking Agência Estado Empresas de 2005, feito em parceria com a Economática. A companhia colheu no período os frutos de diversas decisões tomadas um ano antes, que mudaram sua trajetória. O movimento mais importante foi a incorporação da cervejaria canadense Labatt, em agosto de 2004, que possibilitou à empresa ter uma parcela de 30% de sua receita em moeda forte. A partir daí, a conquista do patamar "investment grade" (grau de investimento) por duas agências de classificação de risco foi um passo - contribuindo para a procura pelo papel. Entre os destaques no estudo, a baixa volatilidade das ações garantiu à AmBev a quarta melhor posição neste quesito do ranking do ano passado, em decorrência principalmente do maior índice de confiança que adquiriu. "A previsibilidade dos resultados de uma empresa com operações em mercados desenvolvidos (Labatt) é maior", comentou o diretor Financeiro e de Relações com Investidores da empresa, João Castro Neves. Chama atenção também a relação entre o preço da ação e o lucro obtido pela companhia (P/L), com o oitavo melhor lugar neste indicador. Em 2005, a cervejaria lucrou R$ 1,5 bilhão, com alta de 33% em relação ao ano anterior - e as ações acumularam ganho de 50%. Na opinião de Castro Neves, a companhia passa por um momento especialmente positivo, atraindo tanto o investidor com perspectiva de longo prazo como de curto prazo. Isto porque tem proporcionado, ao mesmo tempo, ganhos de capital a quem fica pouco tempo com o papel e boa remuneração por meio do pagamento de dividendos. Ele observou ainda que a AmBev já possui uma estrutura instalada significativa, exigindo menos investimentos e gerando mais caixa. Tal conjunto de fatores contribuiu para o índice de liquidez das ações da empresa, que rendeu a 18º colocação geral no acompanhamento. Para Castro Neves, o resultado deriva do trabalho da área de Relações com Investidores e do volume de ações em circulação no mercado, equivalente a 36% do capital total. "Isto dá conforto para o acionista entrar e sair do investimento", disse. O executivo citou também a reformulação recente do site destinado aos aplicadores, o que facilitou o acesso às informações. A AmBev trabalha com um cenário otimista para os próximos anos, em razão principalmente de seu bom posicionamento na América Latina. A companhia possui atividades em 14 países da região, nos quais existe a expectativa de aumento do Produto Interno Bruto (PIB), sinalizando melhora na renda da população - componente de maior importância para o segmento de bebidas.

Agencia Estado,

01 de junho de 2006 | 10h36

Tudo o que sabemos sobre:
ações

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.