Ranking: Retorno e liquidez sustentam apostas na Caemi

A boa liquidez das ações da Caemi Mineração e Metalurgia deu à empresa a 10ª colocação no Ranking Agência Estado Empresas de 2005. A holding fechou o ano passado com um volume financeiro negociado de R$ 13,2 bilhões na Bolsa. Ao todo foram realizadas 248 mil transações, com uma média de 997 negócios por pregão (aumento de 149% sobre 2004). A Caemi foi beneficiada no ano passado, a exemplo de sua controladora Vale do Rio Doce, pelo bom momento vivido pelo setor de mineração, em especial do segmento de minério de ferro, que respondeu em 2005 por 72% da sua receita. A companhia tem participações na MBR (que atua na área de minério de ferro), na MRS Logística (segmento ferroviário), na Cadam e Pará Pigmentos (caulim). Também contribuiu positivamente para a classificação da Caemi no ranking os indicadores de retorno sobre patrimônio (Delta ROE) e a relação entre o valor de mercado da empresa, que atingiu 5,2 vezes seu valor patrimonial (P/VPA). A empresa fechou 2005 com um valor de mercado de R$ 13,4 bilhões, 50% superior ao verificado em dezembro de 2004. Os bons fundamentos, no entanto, não poderão ser desfrutados diretamente pelos investidores em 2006, já que a empresa foi incorporada pela Vale do Rio Doce no início do ano. Os papéis da empresa deixaram de ser negociados em Bolsa no início de maio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.