Real forte faz Teka demitir 499 funcionários

Uma das maiores indústrias de cama, mesa e banho do País, a Teka demitiu ontem 499 funcionários - 10% do total. Eles trabalhavam com a produção voltada exclusivamente para a exportação, em duas das quatro fábricas da empresa. ?O motivo é único: câmbio?, resume o diretor de Relações com o Mercado da Teka, Marcello Stewers. A produção exportada, que representava 35% do total, será reduzida pela metade. Com isso, o volume total da produção sofrerá um corte de quase 20%, caindo para 1450 toneladas/mês.Companhia aberta com sede em Blumenau, a Teka deve registrar crescimento das exportações em 2006, tanto em volume quanto em real e dólar. No entanto, explica Stewers, a operação é deficitária. ?Estávamos absorvendo prejuízo. Foram dois anos de amargura. Agora, não acreditamos mais que o real vá cair.?Enquanto encolhe as exportações a partir do Brasil, a Teka iniciou, no segundo semestre do ano passado, a produção terceirizada na Ásia - para abastecer justamente o mercado nacional. ?Estamos produzindo fora pouca coisa ainda, mas essa é uma tendência forte, tanto aqui na Teka quanto na indústria têxtil de modo geral.? De uma linha de mil produtos, quatro já são fabricados na Ásia: basicamente roupões infantis com estampas de super-heróis. ?Inevitavelmente, muita coisa deixará de ser produzida no País.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.